Jessica Long é a maior estrela da natação paralímpica americana. São 23 medalhas em Jogos Paralímpicos, sendo 13 de ouro. A primeira delas, aos 12 anos de idade, ganhando os 100 metros nado livre classe S8 em Atenas 2004. É a mais jovem campeã olímpica da história.

Um belo documentário feito pela iniciativa “Im Second” descreve a vida e a carreira de Jessica Long e vale a pena ser conferido.

Jessica nasceu Tatina Olegnova Kirilova em 29 de fevereiro de 1992 em Bratsk, na Sibéria, Rússia. Filha de dois jovens adolescentes, 16 e 17 anos, sem condições de criar uma filha colocaram-na para adoção. Na época, já havia sido identificada hemimelia fibular nas duas pernas, uma má formação congênita.

Foi adotada por um casal americano quando tinha 13 meses e seis meses depois tinha as duas pernas amputadas. Seu gosto e prazer pelo esporte marcou sua vida. Ginástica, cheerleading, patinação no gelo, ciclismo, trampolim, escalada e natação. O uso de próteses nunca impediu de se transformar em uma grande atleta.

A natação veio aos 10 anos, no ano seguinte era a melhor nadadora do estado de Maryland. Sempre treinando com atletas convencionais e segundo ela “sempre querendo ganhar das meninas com pernas”. Aos 12, a primeira Paralimpíada, hoje com 29 anos segue treinando para a sua quinta.

No ano passado, no Campeonato Mundial Paralímpico em Londres, Jessica foi uma das mais vocais nos protestos em relação as reclassificações. Na competição ela ganhou cinco medalhas de prata e uma de bronze. No total, em Mundiais Paralímpicos, Jessica acumula 52 medalhas, sendo 35 de ouro. Ela ainda está na classe S8, mas tem sido batida por várias nadadoras que trocaram de classe.

Em 2014, em ação da rede americana NBC, Jessica viajou a Rússia durante os Jogos Olímpicos de Inverno em Sochi. Antes, viajou por 18 horas num trem afim de conhecer seus pais naturais. Os dois adolescentes acabaram se casando e tiveram três filhos. A reunião foi algo muito emocionante e é reproduzido no curta documentário abaixo.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer juntar-se a discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *