WADA, a Agência Mundial de Controle Anti-Doping, e sua equipe de Inteligência e Investigação (I&I) concluiu um extenso relatório após duas visitas, janeiro e abril de 2019, as dependências da RUSADA, a Agência Russa de Controle Anti-Doping. Na conclusão de 24 terabytes de data, foram identificados 298 amostras de atletas russos em situação suspeita.

O “situação suspeita” pode ser inúmeras coisas, como dados alterados, informações incompletas e até mesmo má operação do laboratório. Vale lembrar, a Rússia está suspensa de todas as competições internacionais por oito anos por conta das infrações dos laboratórios da RUSADA.

Estes 298 atletas, todos russos, pertencem a 27 modalidades esportivas diferentes. Dos 298, 145 já haviam apontado resultados positivos e fazem parte do processo que levou a Rússia a suspensão por oito anos. 153 são novos atletas em situação suspeita.

Segundo o Presidente da WADA, Witold Banka, esta é a maior operação de investigação já feita pela agência. Estes dados estavam sendo compilados desde o ano passado e agora passamos para a próxima fase.

Todos os 298 casos foram distribuídos para as agências de dopagem das respectivas federações internacionais de esporte. Ainda não se sabe nem nomes, nem esportes. Cada Federação, receberá os casos e junto com sua agência independente de dopagem fará o Painel de Doping deliberando a punição ou absolvição de cada um dos atletas. A WADA recebe a decisão de volta e se discordar, leva o caso para o Tribunal da Corte Suprema CAS/TAS.

Do material coletado pela time de Inteligência e Investigação da WADA, várias amostras de controle foram retestados e já foram apurados 57 testes analíticos adversos, ou seja, 57 dos 298 já deram positivo.

A Rússia, enquanto isso, já entrou com um pedido de apelação da suspensão de oito anos imposta pela WADA. O julgamento estava marcado para a primeira semana de julho deste ano, porém com a Pandemia do Coronavírus, ainda não temos a nova data.

Você pode acessar a página da WADA com mais detalhes sobre o caso clicando aqui.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer juntar-se a discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *