18 de abril é o Dia do Amigo no Brasil, mas para a natação do Pinheiros vai ficar sempre marcado como um dos dias mais especiais de sua história. Era o terceiro dia do Troféu Brasil 2019, seletiva única para formação das Seleções Brasileiras para o Campeonato Mundial de Gwangju e os Jogos Pan Americanos de Lima. No critério pré-estabelecido pela CBDA, os quatro primeiros colocados a tocarem na borda garantiriam a vaga para as duas competições.

Voltando no tempo, no início da temporada, o treinador do Pinheiros, Alberto Pinto da Silva, o Albertinho, se reuniu com seu grupo de velocistas, e estabeleceu uma meta. Queria o grupo todo pegando a vaga para o revezamento, e mais, queria seus seis atletas fazendo as seis primeiras posições.

Sempre foi a filosofia de Albertinho, ir além do provável, desafiar seus atletas faz parte de seu programa há muitos anos. Não deu os seis, mas pela primeira vez na história da natação brasileira, um só clube, um só técnico, tinha os quatro melhores nadadores dos 100 metros nado livre do Brasil.

Devidamente comemorado, foi a primeira vez na história da natação brasileira que se mandou quatro nadadores de um mesmo clube para o pódio de um campeonato nacional, sem ter nenhum empate. O resultado precisava ser comemorado, e foi.

A história dos quatro primeiros colocados dos 100 metros nado livre do Troféu Brasil de 2019 foi contada assim no Blog do Coach no ano passado:

https://sportv.globo.com/site/blogs/blog-do-coach/post/2019/04/19/missao-dada-missao-cumprida.ghtml

Os 100 metros nado livre masculino foi a última prova da etapa do dia 18 de abril de 2019. Na final A, quatro nadadores do Pinheiros, três do Minas e um da Unisanta. Pela manhã, Marcelo Chierighini fez o melhor tempo com 48.11, igualando sua melhor marca que mantinha desde 2013. Foi a quarta vez que ele igualava este tempo.

 

Troféu Maria Lenk 2019 | Esporte Clube Pinheiros | Foto: Ricardo Bufolin / Panamerica Press / ECP

 

Na final, Chierighini tomou o protagonismo abrindo forte, 22.49 no pé e sustentou a volta para fazer o primeiro 47 da carreira. Foi o único abaixo dos 48 segundos vencendo com 47.68. Depois de Chierighini, uma chuva de 48, até o sexto lugar, pela primeira vez no Brasil, todo mundo abaixo de 49.

Bruno Correia ficou em segundo, 48.11 com a melhor volta da final (24.74). Na sequência Pedro Spajari 48.34 e Gabriel Santos, desta vez quarto colocado com 48.53. Gabriel era o bi campeão da prova vencendo em 2017 (48.11) e 2018 (47.98), agora ficava num quarto lugar, sem medalha, mas fazendo parte do “pódio” e feito histórico.

André Luís Calvelo da Unisanta fez sua segunda final de Troféu Brasil. No ano anterior, foi oitavo com 49.74. Agora, baixando exatamente um segundo ficava em quinto e ganhava um espaço no time que iria para o Mundial de Gwangju.

Vale destacar ainda que este mesmo grupo dos “quatro fantásticos” do Pinheiros, Chierighini, Breno, Spajari e Gabriel voltaram a nadar juntos o revezamento 4×100 metros nado livre, dois dias depois da prova individual. A equipe colocou quatro segundos de vantagem sobre o segundo colocado e marcou 3:12.09. O tempo se contabilizado no ranking mundial de 2019 terminaria a temporada como sétima melhor equipe da temporada, o melhor clube do mundo e apenas um décimo atrás do que fez nossa Seleção no Mundial de Gwangju. O Brasil terminou o ano como sexto do mundo com 3:11.99.

E este abraço do quarteto no Coach Albertinho não tem preço…

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *