O CEO do Comitê Organizador Tokyo2020 Toshiro Muto disse hoje, em entrevista coletiva, que com o problema da Pandemia do Coronavírus, não pode garantir que os Jogos Olímpicos venham a ser realizados no próximo ano em Tóquio.

A declaração é quase um “banho de água fria” no espírito olímpico ao redor do planeta, mas é apenas mais um dos elementos na mudança de tom no Japão desde a mudança de data da Olimpíada no dia 23 de março.

Nesta sexta-feira, a cidade de Tóquio teve 188 casos de contaminação, mais um recorde batido e praticamente o dobro do que acontecia na semana passada. Até agora, o Japão tem 5.530 casos de contaminação do vírus e 99 mortes.

Vale lembrar que o primeiro caso de contaminação no Japão foi no dia 15 de fevereiro. No dia do anúncio da mudança de data da Olimpíada eram 1.128 casos. Ou seja, em 37 dias aumentou 1.128. Agora, em 17 dias, o aumento foi de 4.402 casos.

Depois de resistir muito a pressão, o Primeiro Ministro do Japão, Shinzo Abe, instituiu o Estado de Emergência no país desde terça-feira.

Uma das maiores pressões vinha da Governadora de Tóquio, Yuriko Koike, que anunciou hoje novas medidas que entram em vigor a partir de amanhã. Uma paralização de serviços não essenciais e um rigor maior na quarentena que vai, em princípio, até o dia 6 de maio.

Muito mais do que “conspiração da mídia”, o governo japonês sofre críticas enormes da oposição pelas ações consideradas tardias no ataque a disseminação do vírus no país. Ontem, uma pesquisa indicava que 74% da população aprova a quarentena no Japão, mas 70% indica que o Governo demorou para tomar tais iniciativas.

 

4 respostas
  1. Diego
    Diego says:

    O vírus encuba porém média por 14 dias… qualquer ação o resultado dela aparece apenas 14 dias depois. Se 1 dia após adorarem algo aumentou o número de casos definitivamente não foi por conta das restrições. As restrições foram adotadas simplesmente porque previram o aumento.

    Responder
  2. Francisco Trindade
    Francisco Trindade says:

    Parece que a evolução do contigio ignora “shots, lock’s” e segue seu curso percentualmente mais ou menos igual em ambas as situações, vemos isso na maioria dos países mais afetados, mas parece que não vimos isso em Mianmar Mais Casaquistão e alguns periféricos a China, sei lá.

    Responder
  3. Felipe Henrique de Aguiar Soares
    Felipe Henrique de Aguiar Soares says:

    O Japão entrou na barca furada. Antes do Lockdown, estava com a situação controlada, provavelmente com mais gente assintomática do que sintomáticos. Bastou 1 dia de Lockdown para começar a bater recorde de pessoas sintomáticas. Todos os países em Lockdown têm um aumento de pessoas sintomáticas muito maior que os que não aderiram à recomendação da OMS. O Japão era a prova disso, enquanto os países em quarentena triplicavam os casos confirmados (aqueles que buscam um hospital por sentirem os sintomas) de 3 em 3 dias, o Japão triplicavam de 8 em 8 (lembrando que é uma doença sem vacina, os casos vão subir, independente do modelo de gestão de crise). Lembrando que os países e regiões que não adotaram a quarentena têm densidade demográfica infinitamente maior que todos os países que adotaram, provando o contrário do que diz a OMS, não há redução de casos e prolongamento da curva com a quarentena.

    Responder

Deixe uma resposta

Quer juntar-se a discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *