Ontem, recebi uma mensagem do treinador Antonio Candido, técnico da equipe paralímpica da ADIN Indaiatuba, e que está retido no Equador junto de nove de seus atletas sem poder retornar para o país. O grupo deveria ter voltado para o país no dia 21 de março, porém com as medidas de quarentena, fechamento de fronteiras, além do cancelamento de vôos, aguardava por uma solução do Consulado Brasileiro. E veio!

A FAB, Força Aérea Brasileira, informou ontem que em até dois dias um avião será enviado ao Equador para retornar o grupo e outros brasileiros que estão retidos no país.

Indaiatuba é uma das cidades que mais investe na natação paralímpica do país. Desta vez, entretanto, o próprio grupo de atletas investiu na viagem de treinamento de altitude em Cuenca, a 2.500 metros de altitude, e que serviria como preparação para a Seletiva Paralímpica para Tóquio. A ideia inicial era ficar de 3 a 21 de março treinando, mas com o cancelamento da Seletiva o grupo tentou, sem sucesso, antecipar o retorno ao país.

A equipe conseguir treinar normalmente até o dia 16 de março. Neste dia, Cuenca parou. Como o grupo estava em “salvo conduto”, que é um termo de circulação internacional, se conseguiu por alguns dias manter a rotina. Depois fechou a piscina e mesmo assim, os prórios nadadores se organizaram para se manter ativos.

A rotina tinha yoga pela manhã, um circuito pela tarde. Todos só deixavam o hotel para as compras das refeições que eram cozinhadas pelo próprio treinador Antonio Candido.

Ajudados pelo Consulado, o grupo já está em Quito. O Comitê Paralímpico Brasileiro contribuiu para a hospedagem da equipe na capital equatoriana enquanto aguardam a chegada do vôo que deve levar de volta ao país cerca de 130 brasileiros retidos por lá.

Uma experiência, dura, mas que ajudou a todos a se unirem ainda mais. Os atletas da equipe são Victor Manoel Pinto, dos Santos, André Luiz Bento da Silva Filho, Andrey Ribeiro Madeira, Alan Augusto da Silva Santos, Felipe Caltran Vila Real, Tais Bobato de Souza, Raquel Viel, Luciene da Silva Souza e Cecilia Kethlen Jeronimo de Araújo.

Que voltem logo e, após esta Pandemia, que retornem aos treinos rumo a Tóquio 2020 (1).

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer juntar-se a discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *