A segunda Olimpíada a ser cancelada na história foi a de 1940 e, muito provavelmente, marcaria a primeira medalha de ouro da história do esporte feminino. Marcada para Tóquio, no Japão, depois transferida para Helsinque, na Finlândia, a Olimpíada de 1940 tinha tudo para dar a Maria Lenk a medalha de ouro na prova dos 200 peito, se tivesse sido realizada, mas não foi.

Inicialmente por conta da guerra entre China e Japão, depois a Primeira Grande Guerra Mundial impediram da nadadora brasileira se tornar na primeira atleta do esporte brasileiro a subir no alto do pódio olímpico. Ela já havia sido a primeira atleta olímpica do Brasil em 1936, em Berlim e sem os Jogos de 1940, optou por deixar a natação em 1942. Mesmo se estivesse esperado pela próxima, seu sonho não seria realizado, pois a Olimpíada de Londres 1944 também foi cancelada.

 

 

Em 1940, Maria Lenk detinha o recorde mundial dos 200 metros peito. A marca de 2:56.0 em sua técnica de peito e a revolucionária recuperação de braços por fora d’água havia sido estabelecida em tomada de tempo no ano anterior. No dia 8 de novembro de 1939, na piscina do Guanabara, no Rio de Janeiro.

Lenk quebrou o tempo da holandesa Jopie Waalberg de dois anos antes, 2:56.9 e seu recorde sobreviveu até 1941, quando a alemã Anni Kapell marcou 2:55.5, no Campeonato Alemão em Dusseldorf.

Entre 1940 até 1948 tivemos duas Olimpíadas canceladas e o recorde de Maria Lenk nos 200 metros peito foi batido por quatro vezes. Na volta do espírito olímpico, e os Jogos de Londres em 1948, na prova dos 200 metros peito a vitória foi da então recordista mundial Nel van Vilet da Holanda.

Van Vilet tinha 2:49.2 feitos desde o ano anterior e, mesmo sendo a mais rápida nas eliminatórias (2:57.4), na semifinal (2:57.0) e na final (2:57.2) não chegou nem perto do seu melhor tempo. A vitória foi difícil, decidida nos metros finais contra a australiana Nancy Lyons que ficou em segundo lugar com 2:57.7.

O resultado dos Jogos de Londres em 1948, comprovam o quanto era forte o que Maria Lenk e seus 2:56.0 conseguiram em 1939. Também atestam o favoritismo daquela que seria a primeira medalha de ouro da história do esporte feminino do Brasil, que não veio.

Aliás, o Brasil teve de esperar 68 anos para a saltadora Maurren Maggi ganhar a medalha de ouro no salto em distância dos Jogos Olímpicos de Beijing em 2008.

 

 

O ouro de Maria Lenk não veio, e isso é apenas uma das tantas histórias que podem ser contadas e que ficam esquecidas no passado, especialmente nestes tempos d em que se volta a falar de cancelamento de Jogos Olímpicos.

1 responder
  1. Carlos Oliveira
    Carlos Oliveira says:

    V sabe em que olimpíada a braçada borboleta passou a ser um estilo à parte passando a ser proibida para o então chamado peito clássico?

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *