Artigo técnico por Rodrigo Kalil Macedo Mansur. 

Todo nadador pode (e deve) ter uma rotina preparatória para as suas provas. Esta rotina pré-performance é estabelecida, treinada e praticada em exaustão até encontrar o modelo, a intensidade e as variantes adequadas para cada atleta, prova em suas especificidades de distância e nado a ser executado.

 

Saída de Dressel nos Jogos Olímpicos do Rio 2016. Foto Getty Images

 

Uma rotina pode incluir elementos simples, pequenos ritos que lhe dão tranquilidade e equilíbrio antes de sair em busca de performance (sinais da cruz, escutar música,rezar, pensamemto positivo, entre outros). Porém, também existem as rotinas preparatórias com fundo fisiológico. Falamos do PAP, Post Activation Potentiation, ações com resultados comprovadamente científicos em rotinas de ativação.

 

Salto vertical Caeleb Dressel. Foto SwimSwam

Caeleb Dressel sempre executa um salto vertical antes da prova. Esta rotina faz parte do seu PAP e chama a atenção pela altura e potência do movimento. Nos controles do departamento de preparação física da Universidade da Flórida, onde Dressel estuda e ainda treina, ele já alcançou 104 centímetros.

A marca é bem expressiva. Entre todo o departamento atlético da Universidade da Flórida é a mais alta e estamos falando de centenas de atletas em 21 modalidades esportivas de competição.

Se relacionada com os atletas da liga profissional NBA de basquete a marca ganha ainda mais relevância. A média dos jogadores da NBA é de 71 centímetros.

Na história da liga, Wilt Chamberlain era o atleta com maior salto vertical com 121 centímetros. Michael Jordan tinha 116, Lebron James 111. Dressel, e seus 104 centímetros, estaria entre os 25 maiores de toda a história.

 

Foto Mike Lewis, Mundial Budapeste 2017

 

Outro fator que chama a atenção nos processos de saída é a chamada velocidade de reação. Embora muita gente associe uma boa velocidade de reação com uma boa saída, este fator, embora importante, não é o mais determinante no processo todo de saída.

A conferir os tempos de velocidade de reação das quatro vitórias de Caeleb Dressel no Campeonato Mundial de Gwangju:

Dressel é muito constante nos seus resultados. Nas quatro finais, suas velocidades de reação estiveram sempre entre 0.61 e 0.62. O valor é considerado muito bom, embora, tenhamos vários nadadores no circuito mundial que conseguem na casa do 0.5, onde classificaríamos de ótimo. Os atletas que saem do bloco na casa do 0.7 indicaríamos um nível bom, 0.8 apenas regular e acima de 0.85 fraco.

Nas quatro vitórias de Dressel em Gwangju:
50 borboleta saiu com 0.62, foi o 3o mais rápido da final
100 borboleta saiu com 0.61, foi o mais rápido da final
50 livre saiu com 0.62, foi o 4o mais rápido da final
100 livre saiu com 0.61, foi o 3o mais rápido da final

 

Perfeito streamline de entrada de Dressel. Foto SwimSwam

 

O trabalho submerso de Dressel precisa ser olhado com muita atenção. Desde sua época de escola, ele já chamava a atenção nas competições de high school. Criou uma habilidade incrível de nadar em piscina de jardas trabalhando o nado submerso de forma espetacular.

 

 

Em jardas, Dressel se tornou no primeiro (e único) homem a nadar as 50 jardas abaixo dos 18 segundos, e as 100 jardas livre abaixo dos 40 segundos. Sua habilidade também vai além do movimento de ondulação na fase subaquática, pois ele também, por algum tempo, conseguiu se tornar no recordista americano das 100 jardas peito. Isto resultado da potência de filipina e impulsão de borda, combinada com uma capacidade incrível de transferência do movimento subaquático para a transferência do início de nado.

 

 

Nesta análise que fazemos, esta transferência da saída da fase subaquática para o início de nado é onde encontramos a maior qualidade, o verdadeiro segredo da saída de Caeleb Dressel. Como exposto acima, Dressel tem um salto vertical espetacular, uma velocidade de reação muito boa, um trabalho submerso muito bom, mas é na transição, da saída do submerso para o início de nado que ele entra na esfera do fora de série.

Esta compilação de vídeos abaixo mostra o exato momento da saída do submerso para o início de nado e um detalhe que Dressel faz, e quase ninguém executa. Ele tem uma pernada de borboleta a mais, depois que já começa o início de nado. Falando especificamente do nado livre, onde todos executam o trabalho submerso em pernada de borboleta, passam para a pernada de livre e rompem a superfície.

 

 

Dressel faz diferente. Se mantém na pernada de borboleta e ainda acrescenta uma perna para a entrada na primeira braçada. O vídeo registra isso com precisão.

 

 

São muitos atributos expressivos, elementos que têm feito diferença determinante nos resultados de Dressel. Uma análise da prova de 50 metros nado livre, por exemplo, indica que a diferença que ele abre nos primeiros 15 metros, embora seja diminuída durante a fase de nado e até no final de prova, não é o suficiente para que ele seja batido. Isso, porém, é assunto para outro artigo e discussão.

Por Rodrigo Kalil Macedo Mansur, atleta de natação, campeão e recordista sul-americano.

Rodrigo Kalil

 

Alguns links sobre a técnica e desenvolvimento da saída de bloco de Caeleb Dressel:

https://www.goswim.tv/lessons/2564-gregg-troy-improving-caeleb-s-vertical-jump

https://www.fastlane4.com/8345-analysis-caeleb-dressel-is-the-fastest-ever-in-the-first-15m

https://www.yourswimlog.com/caeleb-dressels-start/

 

Saída Caeleb Dressel no Mundial Budapeste 2017, Foto SwimSwam

 

 

1 responder
  1. Valdo Tavares
    Valdo Tavares says:

    Belo artigo Rodrigo Kalil, parabéns, são detalhes relatados com muita precisão e conhecimento técnico, me impressionou também o alcance da saída dele, a projeção para frente é fantástica, vou repassar para o meu filho @ArthurTavares, precisando melhorar sua saída de bloco. Abs.

    Responder

Deixe uma resposta

Quer juntar-se a discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *