Confira o levantamento e análise da Best Swimming nas 10 melhores performances da competição.

10) 50 metros nado livre masculino
Bruno Fratus 21.61, Nathan Adrian 21.87 e Michael Chadwick 21.99, pela primeira vez a prova dos 50 metros nado livre teve mais de um nadador abaixo da barreira dos 22 segundos. Fratus fez seu 76o sub 22 da carreira, Nathan Adrian completou 11 anos nadando para 21 e Chadwick que nunca havia quebrado a barreira fez duas vezes, nas eliminatórias e na final.

9) Alexandra Walsh e Isabelle Stadden dos Estados Unidos nos 200 metros costas
Duas jovens nadadoras americanas, bela disputa, e quase a quebra do recorde panamericano (2:08.22). Alexandra Walsh com 2:08.30 e Isabelle Stadden 2:08.39, uma das provas mais disputadas e de melhor nível de toda competição.

8) Anne Lazor e Bethany Galat dos Estados Unidos nos 200 metros peito
Assim como nos 200 costas, outra grande dobradinha americana em tempos que seriam pódio no Mundial de Gwangju (prata e bronze). Aqui, as duas nadaram abaixo do antigo recorde panamericano que era 2:24.38 da canadense Kierra Smith com vitória para Lzar com 2:21.40 e prata para Galat 2:21.84.

7) Tom Shields dos Estados Unidos 100 metros borboleta 51.59
Depois de nadar quase 12 segundos acima do seu melhor tempo nos 200 borboleta no dia anterior, Tom Shields voltou a piscina para ganhar a sua primeira medalha de ouro internacional aos 28 anos de idade e fazer um tempo que lhe colocaria na final do Mundial. Uma prova e tanto e que lhe fez chegar perto do recorde panamericano estabelecido nas eliminatórias por Luiz Martinez com 51.44. Os três primeiros colocados da prova nadaram abaixo do antigo recorde panamericano estabelecido em 2015.

6) Brasil 4×100 metros nado livre 3:12.61
O Brasil chegou ao seu sexto título consecutivo da prova apagando o recorde panamericano anterior por mais de dois segundos e colocando uma vantagem ainda maior sobre a equipe americana. Liderando de ponta a ponta, Breno Correia, Marcelo Chierighini, Bruno Fratus e Pedro Spajari já eram os favoritos, apenas consolidaram um revezamento que tem se mantido estável a nível internacional.

5) Luiz Martinez da Guatemala 100 metros borboleta 51.44
A primeira medalha da natação masculina da Guatemala veio com a prata de Luiz Martinez. Ele piorou na final (51.63), mas o seu recorde panamericano das eliminatórias (51.44) precisa ser reconhecido. Foi o primeiro nadador a disputar a prova dos 100 borboleta na competição abaixo dos 52 segundos. Recorde panamericano, medalha de prata e vaga olímpica garantida para Tóquio 2020.

4) Brasil 4×200 metros nado livre 7:10.66
Até 2007, os Estados Unidos nunca tinham perdido a prova do revezamento 4×200 metros nado livre masculino em Jogos Pan Americanos. Desde então, foram quatro edições, só venceram uma. Desta vez, tomaram a maior “lavada” com o time brasileiro marcando 7:10.66 apagando o antigo recorde panamericano em um segundo. Equipe brasileira nadou com Luiz Altamir Melo, Fernando Scheffer, João de Lucca e Breno Correia.

3) William Licon e Nicolas Fink dos Estados Unidos 200 metros peito
Dois segundos abaixo do recorde panamericano, sétimo tempo do mundo em 2019 para a melhor marca pessoal de William Licon 2:07.62 numa prova que ainda teve Nicolas Fink fazendo 2:08.16, mais de um segundo abaixo do antigo recorde panamericano e 11o tempo de 2019.

2) Estados Unidos e Brasil 4×100 metros medley masculino
Prova que já era esperada para ser disputada, teve alternância de liderança, com os Estados Unidos assumindo a ponta a partir do peito para não perder mais. Ambos abaixo do recorde panamericano, Estados Unidos 3:30.25 com Daniel Carr, Nicolas Fink, Tom Shields e e Nathan Adrian, Brasil prata com Guilherme Guido, João Luiz Gomes Jr., Vinicius Lanza e Marcelo Chierighini. Ambas as marcas fariam final no Mundial de Gwangju e o tempo do Brasil foi quase o mesmo feito na oportunidade.

1) Charlie Swanson dos Estados Unidos 400 metros medley 4:11.48
Quarto tempo do mundo em 2019, seria bronze no Mundial de Gwangju, os 4:11.48 de Charlie Swanson foi a maior baixada de marca na equipe americana. Tão bom quanto o seu tempo, foi o seu parcial de peito 1:08.94.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer juntar-se a discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *