São dez edições consecutivas, isso mesmo, desde 2001, em Fukuoka, todos os Campeonatos Mundiais têm tido pelo menos um empate nos pódios. Em Gwangju, foram dois, ambos nas provas masculinas, bronze nos 200 metros nado livre e a prata dos 50 livre com o brasileiro Bruno Fratus empatando com o grego Kristian Gkolomeev.

Na história dos Mundiais, chegamos a 20 empates, 19 em provas individuais e apenas um em prova de revezamento.

Bruno Fratus e Kristian Gkolomeev dividiram a prata com 21.45. Nos 50 metros nado livre masculino, já havíamos tido um empate, foi em Fukuoka, em 2001, mas na medalha de bronze entre o sul-africano Roland Schoeman e o japonês Tomohiro Yamanoi com 22.18.

Nos 200 metros nado livre masculino, o russo Marty Malyutin e o britânico Scott Duncan empataram na terceira posição com 1:45.63. Foi o controverso pódio da confusão com Sun Yang e a primeira vez que tivemos empates nesta prova na história dos Mundiais.

As mulheres têm mais empates do que os homens nos pódios de Mundiais, são 12 contra 8, mas desta vez não tivemos nenhum empate feminino nas disputas de Gwangju.

O máximo de empates que tivemos por Mundial tem sido dois empates, número que aconteceu nas três últimas edições: Kazan em 2015, Budapeste em 2017 e Gwangju 2019.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer juntar-se a discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *