Na disputa das águas abertas do Mundial de Gwangju a briga pelas 10 primeiras vagas da modalidade para as provas de 10 quilômetros dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. Esta é a quarta Olimpíada com a disputa da modalidade e a terceira vez que a FINA seleciona os 10 primeiros colocados do Mundial dos Esportes Aquáticos. Veja a história de como foram as disputas anteriores:

2008, Beijing

Não foi no Mundial dos Esportes Aquáticos de 2007 que foram apuradas as 10 primeiras vagas. A FINA usou o extinto Campeonato Mundial de Águas Abertas disputado na primeira semana de maio para selecionar os 10 primeiros colocados para a prova inaugural dos 10 quilômetros na Olimpíada.
No dia 3 de maio, em Sevilha, na Espanha, a russa Larissa Ilchenko se sagrou campeã mundial e a primeira classificada para a prova olímpica. O Brasil colocou duas nadadoras no top 10, Poliana Okimoto chegou na sexta colocação e Ana Marcela Cunha em 10o lugar. As duas carimbavam o passaporte e o Brasil junto com a Grã-Bretanha foram os únicos a classificar duas nadadoras para a prova em Beijing.
No masculino, o russo Vladimir Dyatchin venceu a prova masculina com apenas três décimos de vantagem sobre o segundo colocado. Allan do Carmo chegou mais de três minutos depois do 10o lugar finalizando na 36a colocação. Outro brasileiro, Marcelo Romanelli Soares chegou ainda mais atrás, três minutos de Allan, em 44o lugar. Para os homens brasileiros restava a chance da repescagem.
E foi no dia 1o de junho, no teste evento, no lugar da prova olímpica, Allan do Carmo terminou em sexto lugar e foi um dos nove classificados para a Olimpíada.

 

2012, Londres

Foi a primeira vez que a FINA utilizou o critério de classificação dos 10 primeiros colocados do Mundial dos Esportes Aquáticos. A prova foi em Shanghai, na China, no dia 19 de julho, vitória da britânica Keri Anne Payne com Poliana Olimoto chegando em sexto lugar, 15 segundos atrás. Um descuido para Ana Marcela Cunha, bobeou e terminou em 11o lugar, três segundos atrás da espanhola Erika Villaecija e estava fora da Olimpíada.
No dia seguinte, a prova masculina, vitória do grego Spyros Gianniotis e os homens brasileiros novamente bem distantes do top 10. Samuel de Bona foi o 44o, oito minutos atrás da 10a vaga, Allan do Carmo, ainda mais longe, em 50o lugar. Os homens brasileiros ainda tentariam a vaga na prova seletiva em Setúbal, Portugal, mas sem sucesso.

 

2016, Rio de Janeiro

Foi em Kazan, na Rússia, o melhor desempenho do Brasil na busca das vagas olímpicas das águas abertas. Allan do Carmo fez uma bela prova e com o nono lugar ganhou a vaga para a sua segunda Olimpíada. Allan chegou 14 segundos atrás do campeão da prova, o americano Jordan Willimovsky, líder desde o início.
No dia seguinte, na prova feminina, Ana Marcela terminou em terceiro lugar e Poliana Okimoto em sexto. Repetindo 2008, com duas brasileiras na Olimpíada. A prova foi vencida pela francesa Aurelie Muller, com bastante facilidade, mais de 20 segundos a frente da segunda colocada.

 

2020, Tóquio

Prova dos 10 quilômetros feminino, 14 de julho
Prova dos 10 quilômetros masculino, 16 de julho

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer juntar-se a discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *