Você nadadora que curte nadar um 200 metros nado livre, hoje é dia de festa! É o aniversário do mais antigo registro do recorde mundial da prova. Foi num Campeonato Australiano, dia 4 de março de 1915, há 104 anos, Fanny Durack estabeleceu o primeiro recorde mundial registrado para a prova com 2:56.0.

Os homens já estavam na disputa dos 200 metros nado livre há 15 anos. Freddy Lane, também australiano, se tornou campeão olímpico da prova em 1900 e estabelceu o primeiro recorde mundial reconhecido em 1902.

Debbie Meyer, primeira campeã olímpica dos 200 livre

Os 200 metros nado livre feminino só foram entrar nos Jogos Olímpicos 53 anos depois do lançamento da prova. Foi na edição dos Jogos do México em 1968 quando a american Debbie Meyer se tornou na primeira campeã olímpica da história. Meyer foi absoluta naquela Olimpíada vencendo as provas de 200, 400 e 800 metros nado livre. Meyer venceu a prova dos 200 com 2:10.5.

Desde então, os 200 metros nado livre feminino estiveram em todas as Olimpíadas. Nos Campeonatos Mundiais ele faz parte desde a primeira edição do torneio, em 1973, em Belgrado, na antiga Iugoslávia. Foi outra americana, Keena Rothammer a primeira campeã mundial da prova com 2:04.99.

Mesma coisa nos Mundiais de Curta, desde a primeira edição em 1993, a prova faz parte do programa. A britânica Karen Pickering foi a primeira campeã da prova com 1:56.25.

Desde o primeiro 200 metros nado livre registrado em 1915, a prova já teve o seu recorde mundial quebrada 46 vezes. A alemã oriental Kornelia Ender em 1976 foi a primeira nadadora da história a fazer a prova abaixo dos dois minutos.

O atual recorde mundial dos 200 metros nado livre é da italiana Federica Pellegrini desde o Mundial de 2009 com 1:52.98. O recorde sul-americano e brasileiro é de Manuella Lyrio feito nas eliminatórias dos Jogos Olímpicos do Rio 2016 com 1:57.28.

Parabéns meninas, disfrutem desta bela prova, os 200 metros nado livre merecem!

Video do recorde mundial dos 200 metros nado livre

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer juntar-se a discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *