Entre os vários destaques da competição dos Jogos Escolares da Juventude, nenhum deles teve tanta relevância como as marcas alcançadas pela húngara Ajna Kesely e Kliment Kolesnikov da Rússia. Os dois foram perfeitos, 100% de aproveitamento nas três provas individuais com três medalhas de ouro, nas três sem qualquer ameaça de serem batidos.

Kolesnikov, junto com Andrei Minakov, 6 ouros e 1 prata

Nenhum dos dois conquistou melhores marcas em Buenos Aires, já envolvidos com a Seleção Principal de seus países, não eram os Jogos Olímpicos da Juventude o principal objetivo da temporada. Porém, suas presenças abrilhantou muito o evento, tiveram a oportunidade de receber o reconhecimento e a valorização de seus talentos.

Ajna Kesely nasceu em 10 de setembro de 2001, natural de Budapeste, está na Seleção Principal da Hungria desde os 13 anos de idade. Sua estreia foi no Mundial de Piscina Curta em 2014, em Doha, no Catar. Em 2016, aos 15, era a mais jovem do time da Hungria na Olimpíada do Rio terminando em 25o lugar nos 200 metros nado livre e em 21o nos 400.

Pódio dos 400 metros nado livre em Buenos Aires

Os primeiros grandes resultados vieram no Europeu deste ano. Em Glasgow, na Escócia, Kesely ficou em segundo lugar nos 400 e nos 800 metros nado livre, ambas com novo recorde europeu júnior com marcas expressivas de 4:03.57 e 8:22.01. As duas marcas estão no ranking top 5 do mundo em 2018.

Em Buenos Aires, Kesely venceu os 200 livre com 1:57.68, os 400 com 4:07.14 e os 800 com 8:27.60. Absoluta e bem a frente de suas adversárias.

O mesmo aconteceu com Kliment Kolesnikov. O russo já chegou a Buenos Aires como recordista mundial dos 50 metros costas em piscina longa e dos 100 metros costas em piscina curta. Nascido em Moscou, 9 de julho de 2000, Kolesnikov fez história nos Jogos. Chegou a seis medalhas de ouro junto com seu companheiro Andrei Minakov se tornando os maiores medalhistas de ouro da história da competição junto com as chinesas Yi Tan de 2010 e Duo Shen de 2014.

Kolesnikov venceu os 50 costas com 24.40, os 100 costas com 53.26 e os 200 costas com 1:56.14, mais os ouros do 4×100 metros nado livre, 4×100 metros medley, e 4×100 metros nado livre misto.

Todos resultados de muita expressão. Os 50 costas é sua terceira melhor marca, só perde para as provas que fez no Europeu na semifinal e na final estabelecendo o novo recorde mundial da prova com 24.00. Nos 100 costas, seu melhor também foi do Europeu, outra medalha de ouro em Glasgow com 52.53. Até mesmo os 200 costas, onde no Europeu ele foi eliminado logo na eliminatória, ao terminar em terceiro, mas como terceiro russo sem direito para passar a semifinal. Seu 1:56.14 lhe daria o bronze em Glasgow.

A campanha do Europeu é, sem dúvida, o ponto alto da carreira de Kolesnikov. Dois ouros individuais, mais um ouro no 4×100 livre com o melhor parcial da prova (47.39) e uma prata no 4×100 metros medley. Isso, sem contar no recorde mundial dos 50 metros costas. Aos 18 anos de idade, o mais jovem recordista mundial desde Ian Thorpe e Michael Phelps.

Ajna Kesely e Kliment Kolesnikov saem de Buenos Aires como as duas maiores expressões da competição. Dois nomes que já chegaram como realidade e apenas potencializaram suas expectativas para serem protagonistas nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *