A sueca Sarah Sjoestroem já tinha uma carreira espetacular, era campeã olímpica, recordista mundial, mas queria mais. Depois do Rio 2016, decidiu mudar de técnico, mudar de programa. E deu certo!

O ano de 2017 foi impecável. Bateu recordes mundiais na piscina curta, na piscina longa, foi a melhor nadadora do Mundial de Budapeste e quebrou o reinado de Katinka Hosszu na Copa do Mundo.

Swimming – 17th FINA World Aquatics Championships – Women’s 50m Freestyle Semifinals – Budapest, Hungary – July 29, 2017 – Sarah Sjostrom of Sweden celebrates after winning the race and breaking the World Record. REUTERS/Bernadett Szabo

Diferente de Caeleb Dressel no masculino, Sjoestroem não foi unanimidade. Talvez a sua derrota nos 100 metros nado livre no Mundial de Budapeste para Simone Manuel, talvez a perda do recorde mundial dos 50 metros nado livre em piscina curta para Ranomi Kromowidjojo ou dos 100 metros para Cate Campbell. Seja o que for, nada apaga a temporada histórica da sueca.

A mudança de treinador deixando a dupla Carj Jenner e Andrey Vorontsov para trabalhar com Johan Waalberg, não diminui o ritmo de Sarah Sjoestroem. Pelo contrário, apenas potencializou.

Melhor Nadadora do Mundo 2017 foi Sarah Sjoestroem da Suécia.

Também foram votadas pela ordem de maior número de votos recebidos: Katie Ledecky dos Estados Unidos, Katinka Hosszu da Hungria e Lilly King dos Estados Unidos.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer juntar-se a discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *