Thomaz Mattos de Paiva e Gustavo Nogueira Mendes foram os advogados que defenderam Henrique Rodrigues no caso do teste surpresa que lhe rendeu uma suspensão de um ano anunciada hoje pela FINA. O teste foi feito no dia 13 de março deste ano em São Paulo por uma equipe da WADA onde ficou constatada a presença da substância proibida Clostebol.

A defesa do nadador brasileiro inicialmente solicitou o resultado da amostra B e novamente foi identificada a presença do esteróide anabólico exógeno. A quantidade encontrada (0,1 nanogramas) e principalmente os fatos apresentados na defesa de Henrique a expectativa era de uma punição menor. “Algo em torno de seis meses” como o próprio advogado Mattos de Paiva revelou a Best Swimming.

Os recentes problemas de doping de Rússia, China e outros, deram um novo panorama no controle anti-dopagem. As regras foram endurecidas e no caso de Henrique a punição foi afetada por este novo parâmetro. A punição máxima que Henrique poderia receber seria de quatro anos, como ficou evidenciada a não intencionalidade do caso, caiu para a metade, dois anos, e identificada e comprovada a contaminação cruzada, a punição de um ano.

Na defesa de Henrique, foi apresentado prontuário e documentação médica que comprovava o uso do creme Trofodermin pela esposa do nadador, Natália Rojo Barion. A própria esposa apresentou depoimento no caso municiada até mesmo do recibo de compra do medicamento.

Mesmo sendo um nadador “ficha limpa”, Henrique até apresentou laudos negativos de cinco exames anti-doping realizados no ano olímpico de 2016, o Painel de Doping da FINA não isentou o nadador da chamada “negligência esportiva”, onde atletas de alto nível devem ter um controle maior sobre tudo que consomem ou tem contato. Robert Fox da Suiça, David Lech do Canadá e Farid Ban Belkach da Argélia foram os auditores que decidiram pela punição de um ano ao nadador.

Na documentação de defesa, a quantidade encontrada de 0,1 nanograma da substância Clostebol é indicado que representa 20 vezes menos do que os estudos apontam para um ganho de performance. Clostebol faz parte das substâncias que compõem o creme Trofodermin utilizado pela esposa de Henrique.

Com a decisão do Painel de Doping da FINA pela suspensão de um ano, cabe recurso ao CAS/TAS, mas tanto o nadador como sua defesa já indicaram que, mesmo não aceitando a decisão, não irão apelar a próxima instância. Todos os custos de defesa e viagem a Suiça, bem como as amostras B foram de responsabilidade de Henrique Rodrigues e sua família.

Henrique durante a suspensão não pode participar de nenhuma competição e deve ficar afastado de treinamentos organizados por técnicos que façam parte da comissão técnica da CBDA. O atleta faz parte da equipe do SESI-SP.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *