FABIOLA MOLINA

Foi um revezamento de muita emoção, e também controvérsia. A expectativa era pelo ouro, afinal, o Brasil era o recordista mundial e atual campeão mundial da prova.

A China e seus resultados surpreendentes no Rio 2016 apresentou um nadador S6 que conseguiu nadar três segundos abaixo do parcial do recorde mundial. Performance que fez a diferença dando aos chineses o ouro e novo recorde mundial da prova com 2:18.03. O Brasil ficou em segundo, num distante 2:25.45, mas ainda abaixo do antigo recorde mundial.

Medalha de prata muito comemorada. Clodoaldo Silva fazendo a sua despedida da natação paralímpica, Joana Silva, Susana Schnarndorf e sua recuperação espetacular para estar ali e ainda ter Daniel Dias para fechar o revezamento. O grupo ainda teve Patricia Silva e Talison Glock que nadaram nas eliminatórias.

O revezamento 4×50 livre misto é do chamado classe baixa onde todas as classes não pode passar de 20 pontos. Clodoaldo, Joana, Susana e Daniel, todos são da classe S5 que dá exatamente a pontuação limite exigida para a prova.

Também concorreram dois outros revezamentos medalhistas do Brasil nos Jogos Paralímpicos:
4×100 medley masculino S34, medalha de bronze
4×100 livre masculino S34, medalha de prata

trofeu-best-swimming-rev-paralimpico

Revezamento 4×50 livre misto, MELHOR REVEZAMENTO PARALÍMPICO DO BRASIL.

Deixe uma resposta