FABIOLA MOLINA

Único revezamento com recorde mundial nos Jogos do Rio 2016. As australianas já eram favoritas, o recorde mundial era australiano desde o Commonwealth Games de 2014, o recorde olímpico também era delas desde os Jogos de Londres 2012. As irmãs Campbell lideravam o ranking mundial dos 100 livre, ou seja, era um jogo de cartas marcadas.

E assim foi. O time nadou nas eliminatórias fazendo o melhor tempo com mais de um segundo de vantagem sobre as americanas, segunda colocadas. Uma decisão da comissão técnica foi de utilizar as Campbells já na prova pela manhã, as duas ocupando a terceira e quarta posição, mesmos lugares em que nadaram na final.

O time abriu em segundo com 53.41 de Emma McKeon, e ainda manteve a segunda posição com Brittany Elmslie 53.12. Americanas lideravam após performances de Simone Manuel e Abbey Weitzeil.

unnamed-9-1-800x533

A virada veio com Bronte Campbell e seus 52.15 colocando mais de um segundo sobre a americana Dana Vollmer. Quando Cate Campbell pulou na água, a coisa já estava decidida e mesmo assim ela fechou para 51.97, o único sub 52 da prova. Novo recorde mundial 3:30.65, mais de um segundo de vantagem sobre os Estados Unidos prata com 3:31.89 que mesmo assim ainda nadaram para novo recorde americano.

Também foram listados e receberam votos do Painel de Especialistas pela ordem:
Estados Unidos equipe masculina 4×100 medley recordista olímpico
Estados Unidos equipe masculina 4×100 livre

trofeu-best-swimming-4x100-livre-australia

Austrália 4×100 livre feminino, MELHOR REVEZAMENTO DO MUNDO.

Deixe uma resposta