Um dia depois de quebrar a barreira dos 50 borboleta dos 22 segundos no revezamento 4×50 medley misto e fazer o melhor tempo nas eliminatórias, Nicholas Santos não foi nada bem na semifinal e ficou de fora da prova onde era um dos favoritos. O nadador da Seleção Brasileira saiu mal e marcando 22.82 acabou em nono lugar com 22.82.

Um tempo e uma performance totalmente fora da curta. Nicholas só este ano nadou três vezes melhor do que isso. Na final do Finkel 22.51, nas eliminatórias de Windsor 22.53 e na eliminatória do Finkel 22.57. Na carreira então, são 23 marcas feitas melhores do que os 22.82 de ontem. Se tivesse apenas repetido o tempo das eliminatórias de 22.53 teria passado com o terceiro tempo para a final.

De fora da final, Nicholas não vai poder repetir as medalhas conquistadas em 2012, quando foi campeão, e em 2014, quando foi vice. O americano Tom Shields que nadou na sua série passou com o melhor tempo 22.38 e Chad Le Clos, atual campeão mundial, e vencedor da primeira série com 22.41 com o segundo tempo. A oitava posição para a final foi do venezuelano Albert Subirats com 22.76. Sua melhor marca pessoal foi a prata no último Mundial em Doha com 22.08.

Nicholas não escondeu o descontentamento com a sua saída. Em entrevista ao repórter Bruno Côrtes do SporTV revelou que a saída foi funda e demorou a entrar na prova. Conhecido por ter uma das melhores saídas do mundo, Nicholas não encaixou a saída, muito menos o nado submerso e já no parcial não estava entre os primeiros colocados. Terminou em sexto lugar em sua série e pôs fim a sua campanha no Mundial de Piscina Curta.

Aos 36 anos de idade, Nicholas Santos é o mais veterano nadador não só do Brasil, mas de toda competição. Em sua carreira, Nicholas acumula um total de oito medalhas em Campeonatos Mundiais de Piscina Curta.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer juntar-se a discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *