Cesar Cielo publicou hoje uma nota no site do Ministério do Esporte desejando boa sorte a delegação brasileira e sucesso nos Jogos do Rio 2016. É a primeira vez que o nadador se manifesta desde o Troféu Maria Lenk quando terminou os 50 livre em terceiro lugar perdendo a vaga para o Time Brasil.

A medalha está logo ali, com trabalho e crença
Por César Cielo, campeão olímpico e recordista mundial

Eu conquistei três medalhas olímpicas, incluindo o único ouro da natação brasileira, nos Jogos de Pequim, em 2008 (em 16/8/2008). E em cada uma delas as sensações foram diferentes.

Tanto as medalhas da Olimpíada quanto as dos Mundiais foram muito especiais. Na Olimpíada de Pequim deixei de ser um coadjuvante. Os Mundiais foram de confirmação, superação… sensações diferentes (foram 16 medalhas no total, 8 de ouro em Mundiais de piscina longa, um recorde mundial nos 100 m livre, em Roma/2009).

Quanto ao ouro, sempre repito o que disse em Pequim: ver o número 1 na frente do seu nome numa Olimpíada é uma sensação indescritível. Passei para a história do esporte olímpico brasileiro ao conquistar a primeira medalha de ouro para a natação (21s30), foi o tempo da final, recorde olímpico, e pódio dividido com os franceses Amaury Leveaux, 21s45, e Alain Bernard, 21s49).

Depois da semifinal, fiquei pensando o dia inteiro na prova que eu faria, mas consegui dormir. Atrás do bloco de partida estava um pouco nervoso porque estava buscando a minha melhor prova. Mas foi um dia em que deu tudo certo. Consegui uma coisa que busquei a vida inteira.

O reconhecimento do ouro olímpico foi grande. Ainda hoje alguém me chama na rua: ‘Cielo’. Eu olho e vejo que não conheço a pessoa. E aí ela me cumprimenta, eu aceno, dou autógrafo. É gratificante. Me emociono quando alguém vem e fala que chorou comigo na conquista da medalha de ouro.

Eu me lembro que naquele dia, da final dos 100 metros livre, em Pequim, o Brett (Hawke, treinador) me acordou e disse: ‘Pega a tua roupa do pódio’. Eu respondi: ‘Você tá louco. Estou na raia oito’. Mas peguei a roupa e lá estava eu no pódio com minha primeira medalha olímpica, logo após dou uma entrevista e digo: “Agora vou ganhar os 50 metros livre.”

E minutos antes da final dos 50 m livre… O Brett olhou no meu olho e disse: ‘Vai lá e põe a mão na parede. O (Michael) Phelps ganhou por um centésimo (os 100m borboleta). Você vai querer perder por um centésimo? Está dentro de você, deixa sair. Todo mundo viu que você está mais rápido. Não fica pensando muito’. Foi o que eu fiz.

Outra imagem que não apaguei foi a do Pieter (van den Hoogenband, holandês campeão olímpico dos 100 m livre) no dia em que ganhei os 50 m livre, à noite, na Vila Olímpica de Pequim, me cumprimentando pelo ouro. Eu estava com o Brett e alguém cutucou as minhas costas, uma, duas vezes. Achei que era brincadeira de brasileiro. Mas quando olhei, era ele. Veio dar os parabéns. Aí eu disse: Está vendo? Ele veio me dar os parabéns, que honra! Meu técnico disse que era ele quem deveria se sentir honrado.

Minha família sempre me ajudou, sempre foi o meu principal apoio em toda a trajetória. Sempre foi fundamental ter minha mãe, meu pai e minha irmã me dando força e me apoiando.

Eu tive pessoas em quem me espelhar, que foram o Gustavo (Borges), o (Fernando) Scherer, e sei como isso é importante. Espero que eu possa ser isso para crianças e jovens. Sei que ganhar uma medalha olímpica envolve muita coisa.

A pressão aumentou, a procura também, da mídia, de fãs… Tive de organizar melhor a minha agenda para continuar treinando. E treinar ainda mais.

Mas o que sempre me motivou, desde pequeno, foi treinar e provar que poderia nadar bem. Sempre tive muitos tempos na minha cabeça, fixei objetivos, mas nunca nadei para ganhar de ninguém ou para ficar rico na natação. Sempre nadei para buscar os meus limites.

A principal pressão sempre fui eu quem fiz. Fixar objetivos, ter dedicação, comprometimento com o trabalho, acreditar sempre e ter uma boa dose de sorte. Nunca pensei: ‘Quero ganhar porque estão cobrando de mim.’ Eu sempre me cobrei muito mais do que os outros me cobraram. Esse lance da autossuperação sempre foi muito forte em mim.

Mas as vitórias não mudaram o que eu sou. Na minha vida como atleta é lógico que os objetivos sempre foram ambiciosos, mas a essência é a mesma. Sempre acreditei que podia melhorar e que daria certo. Sempre na batalha, buscando meus limites.

Acho que vários nadadores tiveram um papel importante na natação do Brasil e tiveram um peso em momentos diferentes do nosso esporte. Eu sempre treinei e me dediquei para ser o melhor e mais rápido nadador que eu poderia ser.

Assim, quero deixar a todos os atletas do meu esporte que vão defender o Brasil na Olimpíada, assim como para os brasileiros de todos os esportes que vão ter o privilégio de competir os Jogos em casa, mensagem de confiança e crença de que poderão fazer o seu melhor.

5 respostas
  1. Wilson Emmanuel Pinto Paiva Neto
    Wilson Emmanuel Pinto Paiva Neto says:

    César Cielo, sou seu torcedor e lhe acompanhando desde muito cedo, em especial, quando passou a defender meu clube de coração, o CRF – Clube de Regatas do Flamengo, assim, ressurja como a FÊNIX, retome os treinos e venha reocupar o seu espeço, que é de campeão dos 50 e 100 m livres.

    César, você deixou de ser apenas um atleta para virar história, ídolo, mito!

    Estou aguardando ansioso o seu retorno.

    Forte abraço,

    Wilson Emmanuel
    Advogado – OAB/CE 23.847

    Responder
  2. Ricardo Ratto
    Ricardo Ratto says:

    Coach Pussieldi, eu se teria como encaminhar esta mensagem ao Cielo….ele fala em servir de exemplo para a juventude…pois bem: no Mundial de Roma 2009, fui Árbitro do Brasil na Maratona Aquática. Levei minha família. Meu filho, na época com 5 anos e já praticante de Natação, viu o Cesão vencer o ouro! Ele me disse: pai, quero ser igual ao Cielo! Quando voltou o Brasil, se dedicou ao máximo aos “treinos”, mais para aula, claro. Mas a medida em que o tempo passou, ele vem se dedicando cada vez mais aos agora, treino de verdade, já que ele é infantil 1. No fim do ano passado, na primeira seletiva Olímpica no Fluminense, ele foi ao Cielo e pediu autógrafo. O Cielo, que estava disfarçado, com o capuz do roupão escondendo seu rosto, o atendeu com o maior carinho e pediu que nao revelasse a ninguém que tinha conseguido o autógrafo e onde ele estava, para não tirar sua concentração. O João Pedro Ratto ficou maravilhado!
    Ele segue treinando, tem obtido bons resultados, mas como nesta fase tem meninos que maturam, ele ainda continua menininho….eu, pai e treinador, sei que pode parecer difícil para ele, mas a longo prazo é ótimo! Ele continua tendo Cesão como seu primeiro e único ídolo! Cesão, vc é o cara! É pode estar certo: vc é é sempre será o ídolo de muitos pequenos, principalmente de João Pedro Ratto!
    Miss you in this Olympics!
    Ricardo Ratto

    Responder
  3. Melquiades
    Melquiades says:

    A grandiosidade de seus feitos são apenas espectros da sua nobreza.
    Ver estes jogos sem a tua participação é algo que faz destes jogos,um tanto menor.

    Responder
  4. Wiiliam Duarte
    Wiiliam Duarte says:

    Vou me permitir tecer um singelo comentário para você César.
    Você é um Lorde e um verdadeiro e raro desportista, pois mesmo e ainda sentido pela não efetiva participação nos Jogos Rio 2016, sabedor da importância de sua imagem, de suas palavras e de sua energia como um verdadeiro líder que é, vem até nossos bravos atletas, prestar seu apoio e seu incentivo!
    Permita-me dizer que você não precisa esperar ser espelho ou exemplo para crianças e jovens pois você já o é, e isto de longa data. Tanto é que me recordo de meu filho, ainda muito jovem, ao der perguntado o que queria da natacão, respondia que queria ser como você! Este legado é exclusivamente seu César. Pois a natação brasileira depois de você ganhou bons e novos rumos. Passamos a ser mais valorizados e novos investimentos foram destinados para nosso esporte.
    César Cielo deixou de ser atleta para virar história, ídolo, mito!
    Por tudo que você fez e ainda continua fazendo pela natação brasileira, E em especial, pelo carinho que sempre tratou meu filho Ítalo Manzine, seu fã desde sempre, meu muito obrigado!

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *