Um dia depois do Comitê Olímpico Internacional anunciar que não irá banir a Rússia dos Jogos Olímpicos do Rio 2016, mas dar a responsabilidade para cada federação internacional legislar quais atletas serão elegíveis ou não, mais determinar que todos os atletas que já cumpriram suspensão por doping serão barrados dos Jogos, foi a vez da FINA se pronunciar. A entidade baixou uma nota determinando que sete nadadores previamente inscritos pelo Comitê Olímpico da Rússia no dia 18 de julho estão proibidos de participar dos Jogos do Rio 2016.

A lista tem sete nadadores, seis das provas de piscina, uma das águas abertas, quatro que já cumpriram penas por doping e outro três que fazem parte do relatório McLaren, feito pelo jurista Richard McLaren. Estes três atletas não testaram positivos, mas existem documentos que comprovam que tiveram testes que desapareceram sem qualquer notificação.

Veja cada um destes sete nadadores que desfalcam o time da Rússia para a Olimpíada:

SUSPENSOS PREVIAMENTE POR DOPING

Mikhail Dovgalyuk-

DOVGALYUK Mikhail RUS 4X200 Freestyle Relay Men Heats Swimming - Kazan Arena Day15 07/08/2015 XVI FINA World Championships Aquatics Swimming Kazan Tatarstan RUS July 24 - Aug. 9 2015  Photo A.Masini/Deepbluemedia/Insidefoto


Photo A.Masini/Deepbluemedia/Insidefoto

Dovgalyuk tem 21 anos de idade, é especialista na prova dos 200 metros nado livre. Classificou para o Rio terminando em quarto lugar na prova dos 200 livre na seletiva russa em abril com 1:47.83. O nadador testou positivo quando tinha 18 anos de idade em 2013 após se sagrar campeão júnior da Rússia nos 200 livre (1:49.91) e ficar em segundo nos 400 livre (3:55.04). Na época, foram três nadadores que testaram positivo na competição. Para o Rio 2016 iria nadar apenas o revezamento 4×200 livre.

Yulia Efimova –

5184
Aos 24 anos de idade, Yulya Andreyevna Yefimova, é mais destacada nadadora de todo o grupo da Rússia. Nascida na Chechenya, treinava com seu pai Andrey Efimov até se mudar para os Estados Unidos onde passou a treinar com Dave Salo no Trojans Swim Club. O Rio seria sua terceira Olimpíada. Foi bronze nos 200 peito nos Jogos de Londres 2012. Em Mundiais de Longa, tem 10 medalhas, quatro de ouro, quatro de prata e duas de bronze. Em Mundiais de Curta, um bronze. Em Campeonatos Europeus, acumula cinco medalhas no Europeu de Longa e mais três no de Curta. Efimova testou positivo em outubro de 2013 para o esteróide DHEA que consumiu, segundo ela, comprando um suplemento numa loja nos Estados Unidos. Foi suspena por 16 meses e perdeu todas as suas medalhas do Europeu de Curta de 2013. Voltou a tempo de disputar o Mundial de Kazan no ano passado. Este ano, após um training camp que fez no Brasil, treinando no Maria Lenk, testou positivo para Meldonium em dois testes surpresas. Seu caso de doping por Meldonium foi desconsiderado pela FINA seguindo orientação da WADA. Era a nadadora com mais chances no Rio 2016, ocupando a segunda posição do ranking mundial de 2016 nos 100 e 200 peito. Além destas duas provas, Efimova também iria nadar o revezamento 4×100 medley no Rio.

Natalia Lovtcova –

large
Lovtova nasceu em Samara em 1988, foi olímpica em 2012 nadando o revezamento 4×100 livre feminino que terminou na décima colocação. A nadadora testou positivo duas vezes em sua carreira, a última delas por dois anos e meio para a substância Methylhexaneamina. Na sua defeas, Lovtcova alegou que a nadadora Ksenia Moskvina colocou a substância na sua garrafa d’água. Moskvina também foi suspensa primeiro por perder três testes e depois pela substância que Lovtcova ganhou mais seis anos de suspensão. Ela estava classificada para a sua segunda Olimpíada nos 50 livre com 25.00 e 58.42 nos 100 borboleta, ambas provas terminando em segundo lugar na seletiva olímpica em abril.
Anastasia Krapivina apareceu no Campeonato Europeu Júnior de Águas Abertas em 2012 ao vencer a prova dos 7,5 quilômetros. Um dia depois, estava no time da Rússia medalha de prata na prova por equipes. A nadadora testou positivo após vencer os 800 metros nado livre no Campeonato Russo de abril de 2013. A vitória lhe dava a vaga para o time do Mundial de Barcelona, mas a nadadora foi suspensa por cinco meses. Krapivina, 22 anos, iria disputar no Rio a sua primeira Olimpíada. Sua vaga foi garantida ao terminar a prova dos 10 quilômetros no Mundial de Kazan em quinto lugar, 24 segundos atrás da francesa Aurelie Muller, campeã da prova, mas apenas dois segundos atrás de Ana Marcela Cunha que foi bronze na prova.

SUSPENSOS POR IRREGULARIDADES NO RELATÓRIO MCLAREN
Nikita Lobintsev –

Nikita-Lobintsev-771x515
Nikita Konstantinovich Lobintsev nasceu em 21 de novembro de 1988 em Sverdlovsk. Faria no Rio sua terceira Olimpíada. Tem duas medalhas olímpicas, prata no 4×200 livre de Beijing em 2008 e bronze no 4×100 de Londres em 2012. Namorado de Efimova, treinava nos Estados Unidos no Trojans Swim Club e também esteve fazendo um training camp no início deste ano na piscina do Maria Lenk, no Rio de Janeiro. Lobintsev ficou em segundo lugar nos 200 livre na seletiva olímpica russa em abril e ficou em sexto na prova dos 100 livre. Estava inscrito para os Jogos com 1:47.71, 56o tempo do ranking mundial. Nadaria a prova dos 200 livre, revezamento 4×200 livre e mais as eliminatórias do 4×100 livre.

Vladimir Morozov –

000_dk1u6-1612211
Medalha de prata nos 50 livre no Mundial de Barcelona 2013, bronze nos 50 livre do Mundial de Kazan, Morozov é russo de Novosibirsk e tem 24 anos de idade. Se mudou para os Estados Unidos aos 14 anos e por conta de atraso na obtenção da sua cidadania americana decidiu competir na seletiva russa de 2012. Ganhou vaga nos 100 costas terminando em segundo lugar e depois no revezamento 4×100 livre. Em Londres, chegou até as semifinais dos 100 costas, mas saiu da prova para se dedicar ao revezamento onde ao lado de Andry Grechin, Nikita Lobintsev e Danila Izotov ganhou a medalha de bronze. Estava balizado com os 21.69 nos 50 livre, sétimo tempo do mundo em 2016 feito na seletiva russa. Nos 100 livre, está com o nono tempo do mundo nesta temporada com 48.09.
Como Lobintsev, Morozov está fora do Rio 2016 por ter seu nome listado no Relatório McLaren.

Daria Ustinova –

daria-ustinova-world-championships-e1447425403346-720x500
Daria Konstantinovna Ustinova, é a mais jovem de todo o grupo, 17 anos. Só completa 18 no dia 28 de agosto. Testou positivo quando tinha apenas 14 anos de idade, mas foi apenas advertida. chegou a Seleção Russa Absoluta no Mundial de 2013 em Barcelona. Semanas depois, estava no time júnior no Mundial da categoria em Dubai onde ganhou cinco medalhas, três ouros, uma prata e um bronze. Recordista mundial júnior dos 200 costas, quebrou a marca várias vezes. Estava inscrita em duas provas para o Rio 2016, 15o tempo do mundo nos 100 costas com 59.78 e quinta no ranking dos 200 costas com 2:06.92. Foi outra que apareceu no Relatório McLaren sem identificar que tipo de violação e quando cometeu.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *