Fábio Santi quebra o recorde de campeonato mais antigo do Sul-Americano

1
1296
Fabio Santi. Campeonato Sul-americano de natacao, realizado no Centro Aquatico Nacional de Assuncao, 31 de marco de 2016, Assuncao, Paraguai. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA
FABIOLA MOLINA

Brasil e Argentina seguem na briga acirrada do Sul-Americano Absoluto em Assunção, no Paraguai. No quadro de medalhas, Brasil segue com um ouro a frente dos argentinos, liderando também na pontuação geral e no masculino, enquanto a Argentina está na frente no feminino.

Seleção Brasileira venceu quatro provas na etapa de hoje e numa delas, Fábio Santi quebrou o recorde mais antigo do Campeonato Sul-Americano nadando a prova para 1:59.47 derrubando a marca de Rogério Romero 1:59.77 desde o Sul-Americano de 2000.

Veja como foi a segunda etapa da competição prova a prova:

50 peito feminino –
Primeira prova da competição com o Brasil fora do pódio. Vitória com dobradinha para a Argentina, vencedora dos 100, Macarena Ceballos também levou os 50 com 31.93. Julia Sebastian foi prata com 32.13 e a venezuelana Mercedes Toledo completou o pódio com 32.36.
Pamela Souza ficou em quinto lugar com 33.64. Pela manhã havia nadado para 34.11.
O Brasil não ficava fora do pódio nos 50 peito em Sul-Americanos desde 2008.

50 peito masculino –

Raphael Rodrigues. Campeonato Sul-americano de natacao, realizado no Centro Aquatico Nacional de Assuncao, 31 de marco de 2016, Assuncao, Paraguai. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA
Raphael Rodrigues. Campeonato Sul-americano de natacao, realizado no Centro Aquatico Nacional de Assuncao, 31 de marco de 2016, Assuncao, Paraguai. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA

Raphael Rodrigues honrou a pátria, no pódio onde prestou continência e na água garantindo o título de uma prova que o Brasil nunca perdeu. Venceu sendo o único abaixo dos 28 segundos com 27.97. Primeira medalha do Uruguai para Martin Melconian com 28.01 e bronze para a Colômbia, Jorge Murillo com 28.04.
Henrique Barbosa terminou em oitavo lugar com 28.86.

Raphael Rodrigues. Campeonato Sul-americano de natacao, realizado no Centro Aquatico Nacional de Assuncao, 31 de marco de 2016, Assuncao, Paraguai. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA
Raphael Rodrigues. Campeonato Sul-americano de natacao, realizado no Centro Aquatico Nacional de Assuncao, 31 de marco de 2016, Assuncao, Paraguai. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA

Veja a lista de todos os campeões (todos brasileiros) desde que os 50 peito entrou no Sul-Americano Absoluto:
2000 – Eduardo Fischer
2002 – Eduardo Fischer
2004 – Eduardo Fischer
2006 – Felipe Lima
2008 – Felipe Lima
2010 – Felipe França
2012 – Felipe França
2014 – Felipe França
2016 – Raphael Rodrigues

200 costas feminino –

Gabriella Mello. Campeonato Sul-americano de natacao, realizado no Centro Aquatico Nacional de Assuncao, 31 de marco de 2016, Assuncao, Paraguai. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA
Gabriella Mello. Campeonato Sul-americano de natacao, realizado no Centro Aquatico Nacional de Assuncao, 31 de marco de 2016, Assuncao, Paraguai. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA

Andrea Berrino venceu com facilidade, quebrou o recorde de campeonato de 2:13.93 de 2014 que era dela para 2:13.47 e chegou bem próximo da sua marca nacional de 2:13.39.
Carolina Colorado da Colômbia ficou em segundo com 2:15.03 e a argentina Florencia Perotti completou o pódio com 2:15.30.
Natália de Luccas ficou em 4o com 2:15.41 e Gabriela Mello em 5o com 2:18.24.
Parciais das brasileiras
Natália de Luccas 31.59, 1:05.71 (34.12), 1:40.86 (35.15), 2:15.41 (34.55)
Gabriela Mello 32.75, 1:07.41 (34.66), 1:43.01 (35.60), 2:18.24 (35.23)

200 costas masculino –

Fabio Santi. Campeonato Sul-americano de natacao, realizado no Centro Aquatico Nacional de Assuncao, 31 de marco de 2016, Assuncao, Paraguai. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA
Fabio Santi. Campeonato Sul-americano de natacao, realizado no Centro Aquatico Nacional de Assuncao, 31 de marco de 2016, Assuncao, Paraguai. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA

O recordista sul-americano da prova, Omar Pinzon, aguentou apenas os primeiros 50 metros. Depois disso, a prova só teve um nadador, Fábio Santi, novo recordista de campeonato com 1:59.47 quebrando o recorde mais antigo da competição: Rogério Romero 1:59.77 do Sul-Americano de 2000.
O colombiano Pinzon chegou em segundo com 2:00.03 e o paraguaio Matias Lopez ganhou a primeira medalha do país no Sul-Americano em terceiro lugar com 2:00.13, novo recorde nacional de seu país.
Parciais dos brasileiros
Fábio Santi 27.99, 57.73 (29.74), 1:28.20 (30.47), 1:59.47 (31.27)
Leo de Deus 28.49, 59.20 (30.71), 1:30.43 (31.23), 2:01.43 (31.00)
Foi a segunda vez na carreira de Fábio Santi que ele nadou abaixo dos dois minutos. Antes, apenas no Brasileiro Senior, eliminatórias do Open em dezembro que é sua melhor marca pessoal com 1:59.38.

400 livre feminino –

Manuella Lyrio. Campeonato Sul-americano de natacao, realizado no Centro Aquatico Nacional de Assuncao, 31 de marco de 2016, Assuncao, Paraguai. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA
Manuella Lyrio. Campeonato Sul-americano de natacao, realizado no Centro Aquatico Nacional de Assuncao, 31 de marco de 2016, Assuncao, Paraguai. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA

Manuella Lyrio até tentou, mas não conseguiu conter o final de prova da venezuelana Andreina Pinto, campeã com novo recorde de campeonato 4:07.17, nono tempo do mundo em 2016, a melhor marca da competição até agora.
As duas travaram um belo duelo, até os 200 metros, depois disso, a venezuelana foi embora. Seus parciais a cada 200 metros foram 2:03.00 e 2:04.17.
Veja o comparativo entre Manuella e Andreina:
Andreina 29.36, 1:00.47, 2:03.00, 3:05.56, 4:07.17
Manuella 29.44, 1:00.46, 2:03.08, 3:06.83, 4:10.62
Bronze ficou para a jovem argentina de 16 anos Delfina Pignatiello com 4:13.75, a mais jovem medalhista até agora.
Bruna Primati ficou em quarto lugar com 4:15.10.
Cecilia Biagioli, a argentina de 31 anos de idade, saiu do Sul-Americano pela primeira vez sem uma medalha nos 400 livre. Eram oito campeonatos consecutivos desde 2000 sempre com Biagioli no pódio, três pratas e cinco bronzes. Terminou na quinta colocação com 4:16.55.

400 livre masculino –

Luiz Altamir. Campeonato Sul-americano de natacao, realizado no Centro Aquatico Nacional de Assuncao, 31 de marco de 2016, Assuncao, Paraguai. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA
Luiz Altamir. Campeonato Sul-americano de natacao, realizado no Centro Aquatico Nacional de Assuncao, 31 de marco de 2016, Assuncao, Paraguai. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA

Cristian Quintero da Venezuela foi quem deu o ritmo, saiu na frente, se manteve aí até os 350 metros, jamais se esperava a reação que teve Luiz Altamir vencedor da prova com 3:51.33 em incríveis parciais de 1:55.10 e 1:56.23. O último 50 metros de Altamir ainda mais incrível com 27.92. É sua melhor marca em temporada, só perde para o índice olímpico feito em dezembro no Open.
Altamir campeão com 3:51.33, Martin Naidich da Argentina, outro que fechou forte, na verdade ainda mais forte, 27.36 para os últimos 50 metros com 3:52.23. Naidich nadou 1:56.23 e 1:56.00.
O bronze caiu para Cristian Quintero, o líder dos 350 metros, e que acabou em terceiro com 3:52.24.
O outro brasileiro na prova, Giovanny Lima ficou em sexto lugar depois de aparecer até em segundo lugar. Nadou para 3:56.69.
O recorde de campeonato quebrado por Luiz Altamir pertencia a Miguel Valente do Brasil 3:52.46 feitos no último Sul-Americano em 2014.

Revezamento 4×100 medley misto –

Leonardo de Deus. Campeonato Sul-americano de natacao, realizado no Centro Aquatico Nacional de Assuncao, 31 de marco de 2016, Assuncao, Paraguai. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA
Leonardo de Deus. Campeonato Sul-americano de natacao, realizado no Centro Aquatico Nacional de Assuncao, 31 de marco de 2016, Assuncao, Paraguai. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA

O Brasil terminou em segundo, mas ficou sem medalhas. Na passagem de Daynara de Paula de borboleta para Alan Vitória no crawl a equipe foi “canetada”. Argentina campeã com 3:52.31 quebrando o recorde de campeonato estabelecido pelo Brasil em 2014 com 3:52.65 na época equipe com Etiene Medeiros, Felipe França, Daynara de Paula e Matheus Santana.
Muita festa pela medalha do Paraguai, primeiro um bronze, e comemorado ainda mais quando subiram ao pódio com a prata 3:57.70. Venezuela foi bronze com 3:59.56.

Quadro de medalhas ao final do segundo dia de competições
1o Brasil 8 ouros, 5 pratas, 5 bronzes, 18 medalhas
2o Argentina 7 ouros, 4 pratas, 4 bronzes, 15 medalhas
3o Venezuela 2 ouros, 3 pratas, 4 bronzes, 9 medalhas
4o Colômbia 3 pratas, 3 bronzes, 6 medalhas
5o Paraguai 1 prata, 1 bronze, 2 medalhas
6o Uruguai 1 prata, 1 medalha

Classificação parcial pontos ao final do segundo dia
1o Brasil 191 pontos
2o Argentina 172 pontos
3o Colômbia 104 pontos
4o Venezuela 102 pontos
5o Paraguai 72 pontos
6o Perú 45 pontos
7o Uruguai 25 pontos
8o Chile 5 pontos
9o Equador 4 pontos

Classificação feminino
1o Argentina 96 pontos
2o Brasil 94 pontos
3o Colômbia 50 pontos

Classificação masculino
1o Brasil 97 pontos
2o Venezuela 60 pontos
3o Argentina 58 pontos

1 Comentário

  1. COACH, O TEMPO DA ANDREINA É O 4o. DAS AMÉRICAS, LOGO ABAIXO DA BECCA MANN, EM 2016. EM PRIMEIRO NADA MENOS QUE KATIE LEDECKY. FEZ BEM MELHOR QUE EM ORLANDO !!!!

Deixe uma resposta