Uma decisão polêmica da Corte Suprema do Esporte CAS/TAS anunciada hoje em Lausanne, na Suiça. O Tribunal deu ganho a apelação da Federação Britânica de Natação contra a FINA na homologação dos recordes mundiais do 4×100 medley misto de Chris Walker Hebborn, Adam Peaty, Jemma Lowe e Fran Halsall com 3:44.02 e os 50 peito de Adam Peaty 26.62 alcançados no Campeonato Europeu de 2014.

As marcas feitas no Europeu nunca foram homologadas sob o argumento que os nadadores não completaram as exigências no controle anti-doping. Em regulamento, recordes mundiais para serem aprovados precisam que o atleta se submeta ao controle anti-doping incluindo o teste para EPO.

A Federação Britânica apresentou defesa argumentando que a falha foi da organização e da LEN, Liga Européia de Natação, indicando que seria injusto prejudicar os atletas que cumpriram o seu papel. O CAS/TAS reconheceu e deu ganho de causa aos britânicos numa demonstração de fraqueza e desorganização do sistema de controle montado e organizado pela FINA.

Os dois recordes homologados pelo CAS/TAS já foram quebrados e ambos novamente pela Grã-Bretanha no Mundial de Kazan no ano passado. No 4×100 medley, a equipe mista teve uma alteração no parcial de borboleta, com a saída de Jemma Lowe e a entrada de Siobhan Marie O’Connor. O novo recorde imposto foi de 3:41.71. Nos 50 peito masculino, o sul-africano Cameron van der Burgh igualou a marca de Adam Peaty nas eliminatórias com 26.62, e na semifinal, Peaty baixou ainda mais para 26.42.

Veja o recorde mundial do 4×100 medley alcançado pela equipe mista da Grã-Bretanha homologado hoje pelo CAS/TAS:

Decisão do CAS/TAS na íntegra: (em inglês)

DecisãoCAS:TAS

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *