Se fosse filme seria literalmente uma trilogia. Cesar Cielo anunciou hoje em seu website oficial que está nos Estados Unidos e de volta ao treinador Scott Goodrich.

É a sexta troca de comando no seu trabalho desde os Jogos Olímpicos de Londres em 2012. A terceira vez com Goodrich que, segundo o site, vai treinar Cielo até o Maria Lenk em abril.

Scott Goodrich é americano, 29 anos de idade, completa 30 em julho, é apenas seis meses mais velho do que Cielo. Foram companheiros de equipe em Auburn, nadaram o mesmo revezamento. Como nadador, nadou costas e velocidade. Defendeu apenas uma vez a Seleção Americana, nas Universíades de 2007 quando foi medalha de bronze nos 50 livre.

Como técnico sua carreira é curta. Está no seu primeiro emprego de head coach, dirige a equipe do Scottsdale Swim Club no Arizona.

Sua primeira missão como técnico de Cielo foi em janeiro de 2013. Goodrich desembarcou de surpresa em São Paulo quando Cielo pôs fim a relação com Alberto Pinto da Silva, o Albertinho, encerrando o programa Pro16.

Juntos, Cielo e Goodrich conseguiram um excelente primeiro semestre culminando com os ouros nos 50 livre e 50 borboleta no Mundial de Barcelona. Cielo se tornava no primeiro tri campeão mundial da velocidade. No final do ano, os primeiros problemas. Uma má eliminatória dos 50 livre, onde foi batido por Bruno Fratus, resultou no abandono da final.

Em 2014, Goodrich foi anunciado como novo head coach do Scottsdale Swim Club e a relação com Cielo ficou limitada pelas novas atribuições e responsabilidades de seu novo cargo.

Cesar-Cielo-cred-Osvaldo-F.2

Cielo voltou ao Brasil para treinar com Scott Volkers no Minas Tênis Clube em relação que foi até o Troféu José Finkel. De lá, Cielo viajou para os Estados Unidos onde voltou a ser treinado por Goodrich. Foi lá que fez toda a preparação para o Mundial de Piscina Curta em Doha.

Lá, Cielo foi ouro nos 100 livre, bronze nos 50, e ganhou mais três medalhas com os revezamentos do Brasil.

No ano passado, Cielo voltou ao país e montou a sua própria comissão multidisciplinar. O treinador era Arilson Silva, mas o comando do grupo era do fisiologista Charles Ricardo Lopes. Os resultados do primeiro semestre e o abandono do Mundial de Kazan foram determinantes em nova mudança. Quando retornou aos treinamentos em outubro, Arilson Silva estava no comando do trabalho.

Foi com ele até o Open em dezembro. Lá, abandonou a competição após um resultado decepcionante nos 100 livre, quando não passou da eliminatória.

Cielo retorna aos Estados Unidos e de volta ao comando de Scott Goodrich. São quatro meses que restam para o nadador que ainda busca uma vaga no time do Rio 2016.

4 respostas
  1. sergio benatti
    sergio benatti says:

    Sou fã do Cielo, mas nunca soube dizer com precisão em que local ele estava treinando. Quando o imaginava no Minas, ele estava em São Paulo. Quando o imaginava em São Paulo, aparecia um vídeo dele dando entrevista em uma universidade no meio-Oeste dos Estados Unidos reclamando do calor de lá comparado ao do Brasil (e por que não ficou no Brasil?, eu pensava), quando achava que ele estava reunido com a seleção esmerando esse nosso 4x100m, lá estava ele treinando sozinho na Holanda…

    Muitas mudanças, nenhuma constância.

    Responder
  2. Flávio Mildemberg
    Flávio Mildemberg says:

    Cielo com Brett Hawke estaria facilmente nadando na casa de 21.5 e 48.0. O preço de tantas trocas viria algum dia, infelizmente parece estar batendo na porta as vésperas do Rio 16 (caso ele se classifique).

    Responder
  3. swammer
    swammer says:

    Totalmente perdido. Nao tem como imaginar o Cielo sendo bem sucedido no Rio.

    Seus rivais vem de 4 anos de um trabalho continuo, serio, e com uma filosofia constante. Agora, Cielo vem de filosofias diferentes, quebras em ritmo. Nao da pra ficar achando que ele vai se superar porque ele se superou em 2011 depois do escandalo do doping, e 2013 depois da cirurgia do joelho.

    Outra coisa, todos os grandes foram fazer um camp durante o inverno. Ou seja, durante o break do reveillon foram focar mais nos treinos, aumentar a carga. Cielo acabou o ano perdido, precisou de um “tempo” para refletir. E agora acha que vai conseguir fazer um “catch-up” em 6 meses.

    Dado o seu talento, e’ facil de imagina-lo entre os 6 primeiros do mundo nas Olimpiadas, mas a diferenca entre 21.5 e 21.1 sera grande demais para ele superar agora.

    Responder
  4. Polêmico
    Polêmico says:

    Triste ver um grande nome do esporte se perder nas próprias trapalhadas.. Colocar a culpa no técnico é sempre a opção mais fácil! Difícil mesmo é ver que o erro é dele mesmo! Cielo se perdeu em sua própria megalomania.. Se achou grande demais para ser só mais um em Auburn.. Tomara que não seja tarde demais..

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *