Duas medalhas para o Brasil fechando o Campeonato Mundial Júnior em Singapura. Veja o resumo das provas:

100 livre masculino –

Felipe Souza. Campeonato Mundial de Natacao no OCBC Aquatic Centre. 30 de agosto de 2015, Cingapura. Foto: Satiro Sodre/SSPress

Felipe Souza. Campeonato Mundial de Natacao no OCBC Aquatic Centre. 30 de agosto de 2015, Cingapura. Foto: Satiro Sodre/SSPress

Brasil sonhava com uma dobradinha, mas saiu um bronze com Felipe Ribeirou Souza nadando para 49.30. A prova foi dominada pelo australiano Kyle Chalmers que venceu com 48.47 derrubando o recorde de campenato de Pedro Spajari ontem na semifinal com 48.87. Chalmers passou com 23.56, em segundo, na sua frente o romeno Robert Glinta com 23.54. Enquanto Glinta “morreu” na volta para 26.33 terminando na sétima colocação, Chalmers voltou para 24.91 vencendo com 48.47.
O americano Maxime Rooney, campeão dos 200 livre, ficou com a parata com 48.87, mesmo tempo de Spajari ontem na semifinal.
Felipe Souza virou em quinto lugar com 23.92 e voltou 25.38 para 49.30. Sua melhor marca pessoal 49.16 do Sul-Americano não foi repetida neste Mundial embora tenha feito suas melhores marcas nos 50 e 200 livre.
Pedro Spajari ficou em quarto lugar. Passou em terceiro com 23.63 e voltou com 25.93 para 49.56.
Ontem na semifinal, Spajari havia passado para 23.55 e voltado para 25.32 e seu 48.87. Deixa o Mundial com melhores marcas nas duas provas que nadou, 50 e 100 livre.
O Brasil nunca havia sido medalha nos 100 livre em Campeonatos Mundiais Júniors. Está a 12a medalha do Brasil em Mundiais e a terceira em Singapura. Outro feito, até então, foi a terceira medalha em provas olímpicas num mesmo Mundial, coisa que o Brasil nunca havia conseguido.

200 peito feminino –
Maior destaque da competição, Viktoria Gunes da Turquia chegou a sua quarta medalha de ouro individual igualando Ruta Meilutyte da Lituânia e Mack Horton da Austrália em 2013. Venceu os 200 peito com 2:19.64, quebrando os recordes de campeonato, mundial júnior e fazendo a melhor marca de toda competição, quinta melhor marca a história da prova. Estes 2:19.64 teriam lhe dado o ouro em Kazan, prova que nadou, mas terminou na 11a colocação com 2:24.01. No Mundial de Kazan, a vencedora foi a japonesa Kanako Watanabe com 2:21.15.
Depois de Gunes, duas russas, bem distante da vencedora, mas próxima uma da outra. Prata para Mariia Astashkina com 2:24.57 e bronze para Sofia Andreeva com 2:24.88.

200 costas masculino –
Ouro para a Espanha com Hugo Gonzalez nadando para 1:58.11 com um final de prova muito forte de 29.20. Passou com 58.48 e voltou com 59.63. Prata para Michael Taylor dos Estados Unidos que nadou a maior parte na liderança da prova e fechou com 1:58.39. Bronze também foi americano e com marca bem próxima para Austin Katz com 1:58.51. Luke Greenbank, melhor tempo de inscrição e primeiro tempo das eliminatórias ficou na quarta colocação com 1:58.74.

100 borboleta feminino –
Campeã dos 50 borboleta e agora dos 100 e com novo recorde de campeonato para a japonesa Rikako Ikee com 58.28. Passou na frente com 27.06 e voltou com 31.22. Próximo dela, levando a prata Penny Oleksiak do Canadá com 58.50. E mais um 58 para o bronze, Gemma Cooney da Austrália com 58.98.

1500 livre masculino –

Brandonn Almeida. Campeonato Mundial de Natacao no OCBC Aquatic Centre. 30 de agosto de 2015, Cingapura. Foto: Satiro Sodre/SSPress

Brandonn Almeida. Campeonato Mundial de Natacao no OCBC Aquatic Centre. 30 de agosto de 2015, Cingapura. Foto: Satiro Sodre/SSPress

É ouro! Brandonn Almeida não precisou nem repetir a sua melhor marca pessoal de 15:11.70 feita no Pan de Toronto para vencer os 1500 livre em Singapura. Levou o primeiro ouro do Brasil em Singapura e em Mundiais Júniors em provas olímpicas.
Com sua forma tradicional de nadar, crescendo na prova, Brandonn levou o ouro com 15:15.88. Um “negativaço” de 7:40.42 para os primeiros 750 metros e voltando com 7:35.46.
A cada 500 metros os parciais de Brandonn foram 5:06.10, 5:08.37 e 5:01.41.
Seus parciais a cada 100 metros:
59.46, 2:00.85, 3:02.56, 4:04.27, 5:06.10, 6:07.61, 7:09.34, 8:11.25, 9:12.82, 10:14.47, 11:15.58, 12:16.67, 13:17.70, 14:18.74, 15:15.88.
Brandonn fechou os últimos 100 metros para 57.14, os úlitmos 50 metros para 27.83.
Prata para o americano Taylor Abbott 15:16.35 e bronze para Cesar Castro da Espanha com 15:17.10.
Guilherme Costa terminou na 12a colocação com 15:33.78.

50 livre feminino –
Bela disputa melhor para a russa Mariia Kameneva com 25:12 batendo a japonesa Rikako Ikee por sete centésimas, ela que havia vencido os 100 borboleta momentos antes. O bronze ficou para a australiana Shayna Jack com 25.24.
Melhor tempo na semifinal, Daria Ustinova ficou em quarto lugar com 25.39.

200 borboleta masculino –
Nao Horomura do Japão e Daniil Pakhomov da Rússia fizeram uma das melhores prova masculina da competição com Horomura vencendo com 1:56.80 apenas 13 centésimos de vantagem sobre o russo. Pakhomov liderou desde o início com bela vantagem, mas cansou no final 31.89 no último parcial contra 30.54 de Horomura
Ouro para o japonês com 1:56.80, prata para o russo 1:56.93 e bronze para o americano Mike Thomas com 1:57.61.

50 peito masculino –
Único quebrando a barreira dos 28 segundos, Andriius Sidlauskas venceu com 27.99 quatro centésimos a frente do italiano Nicolo Martinenghi. Bronze para Nikola Obrovac da Croácia 28.11.
Campeão dos 100 e 200 peito, Anton Chupkov da Rússia, ficou em sétimo lugar com 28.41.

200 livre feminino –

Rafaela Raurich. Campeonato Mundial de Natacao no OCBC Aquatic Centre. 30 de agosto de 2015, Cingapura. Foto: Satiro Sodre/SSPress

Rafaela Raurich. Campeonato Mundial de Natacao no OCBC Aquatic Centre. 30 de agosto de 2015, Cingapura. Foto: Satiro Sodre/SSPress

De ponta a ponta, novo recorde de campeonato para a canadense Taylor Ruck com 1:57.87. Campeã dos 100 livre, Ruck levou os 200 batendo o recorde de Tamsin Cook da Austrália 1:58.16 feitos na abertura do revezamento 4×200 livre. Cook não nadou a prova individual.
Parciais de Ruck 27.33, 57.19 (29.86), 1:27.72 (30.53), 1:57.87 (30.15).
Prata para a russa Arina Opensysheva com 1:58.28 e bronze para a americana Hannah Cox com 1:59.28.
A brasileira Rafaela Raurich terminou na oitava colocação. Depois de fazer sua melhor marca pessoal nas eliminatórias com 2:01.40, piorou um pouco na final e fez 2:01.89. Seus parciais 28.43, 58.62 (30.18), 1:29.73 (31.12) e 2:01.89 (32.16).

Revezamento 4×100 medley masculino –

Revezamento 4x100 medley. Campeonato Mundial de Natacao no OCBC Aquatic Centre. 30 de agosto de 2015, Cingapura. Foto: Satiro Sodre/SSPress

Revezamento 4×100 medley. Campeonato Mundial de Natacao no OCBC Aquatic Centre. 30 de agosto de 2015, Cingapura. Foto: Satiro Sodre/SSPress

Vitória da Rússia com novo recorde de campeonato e recorde mundial júnior com 3:36.44. Estados Unidos ficou em segundo lugar com 3:37.51 e Austrália em terceiro com 3:40.21.
O Brasil ficou em quarto com 3:42.78. Nossa equipe teve Guilherme Basseto com 56.54 de costas, Eduardo Amaral 1:03.51 de peito, Vinicius Lanza 53.29 de borboleta e Pedro Spajari fechou 49.44 de crawl.
Na prova, o Brasil abriu em sexto com Basseto, caiu para sétimo com Eduardo Amaral, ganhou duas posições com Vinicius Lanza e mais uma com Pedro Spajari.
O melhor parcial de costas da prova foi do espanhol Hugo Gonzalez 54.81. O melhor peito do russo Anton Chupkov 59.84, o melhor borboleta Daniil Pakhomov 51.74 e o melhor crawl com o australiano Kyle Chalmers 48.38.
O recorde de campeonato era do Japão em 2013 com 3:38.13, o recorde mundial da Rússia nos Jogos Olímpicos da Juventude do ano passado em Nanjing com 3:38.02. O novo recorde 3:36.44.

Revezamento 4×100 medley feminino –
Fechando com novo recorde de campeonato e recorde mundial júnior para a Rússia com 4:01.05. A Austrália que liderou apenas no costas ficou ems egundo com 4:02.42 e o Japão completou o pódio com 4:03.10.
O recorde de campeonato era da Rússia do Mundial de 2013 com 4:04.48. O recorde mundial júnior era dos Estados Unidos do Pan Pacífico Júnior do ano passado com 4:03.44.
O melhor parcial de costas foi de Minna Atherton da Austrália com 59.61. O melhor parcial de peito com a russa Mariia Astashkina com 1:07.65. O melhor borboleta da japonesa Rikako Ikee 58.07 e melhor parcial de crawl fechando para a russa Mariia Kameneva com 54.27.

3 respostas
  1. iago
    iago says:

    Parabéns brandonn, quebrando barreiras para a natação brasileira!! Coach, sera que não houce algum problema no polimento dos atletas do carlao??todos os dois, brandonn e leo, nadaram muita melhor no pan, competição que não estavam polidos, do que nos mundiais??

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *