Termina hoje e a emoção vai ser até o final. Ontem, ao final da quinta e penúltima etapa, o Minas virou pelo terceiro dia consecutivo na frente. A diferença não é nada tranquilizadora são 89 pontos de vantagem na frente do Pinheiros. A briga está entre os dois e neste sábado vai ser emoção a cada prova.

A pontuação parcial aponta:
Minas 1.759 pontos
Pinheiros 1.670 pontos

As provas de hoje, pela ordem:
100 livre feminino
100 livre masculino
50 peito feminino
50 peito masculino
200 costas feminino
200 costas masculino
4×100 medley feminino
4×100 medley masculino

No papel, o dia é do Pinheiros. Contando os tempos de inscrição, sem considerar recordes e revezamentos, o Pinheiros soma 383 pontos contra 215 do Minas, uma vantagem de 168 pontos, descontados os 89 de vantagem teríamos uma vantagem do Pinheiros de 79 pontos sem contar os revezamentos.

Acontece que nem tudo que está no papel acontece. Existem nadadores que devem crescer e outros cair. Ainda tem a espanhola Duane da Rocha que está computada como vencedora dos 200 costas, mas nem nadar ela vai, 35 pontos a menos para o Pinheiros.

Olhando prova a prova no papel a diferença é a seguinte:
100 livre feminino – Pinheiros 77, Minas 33
100 livre masculino – Minas 65, Pinheiros 53
50 peito feminino – Pinheiros 77, Minas 47
50 peito masculino – Minas 43, Pinheiros 30
200 costas feminino – Pinheiros 65, Minas 0
200 costas masculino – Pinheiros 77, Minas 27

A briga dos revezamentos também promete. Tanto pelo título como uma desclassificação pode representar o fim da briga.

No 4×100 medley feminino, o Minas leva vantagem no costas (Tatiana Adorno 1:04.95 contra Julia Salem 1:05.70), no peito (Renata Sander 1:09.62 contra Ana Carla Carvalho 1:10.58) e no borboleta (Daiene Dias 1:00.29 contra Eduarda Sales 1:03.81). A vantagem do Pinheiros está no crawl com Larissa Oliveira, a recordista sul-americana da prova contra Daiane Becker. É bem provável que Joanna Maranhão entre neste revezamento, ou no costas ou no borboleta, o que pode equilibrar um pouco a disputa.

No 4×100 medley masculino, a vantagem é também pró-Minas. No costas dá Pinheiros (Guilherme Guido 54.56 contra 54.92 de Thiago Pereira), no peito para o Minas (Felipe Lima 59.78 contra 1:00.88 de Pedro Cardona), borboleta para o Minas (Henrique Martins 52.53 contra 53.75 de Henrique Rodrigues) e um final sensacional de Bruno Fratus contra César Cielo.

Olhando com mais atenção, estamos falando de uma competição a ser definida em poucos pontos, uma diferença mínima e talvez a mais emocionante e acirrada até o final dos últimos anos.

Pinheiros ou Minas, Minas ou Pinheiros?

3 respostas
  1. nadador
    nadador says:

    E foi campeão com 100% nacional!!!
    O ECP fez contratações mas o Minas tbe reforçou bem o seu time com Thiago Pereira, Daiane Marçal, Alan Vitória e as 2 gringas…. Saiu ganhando o ECP e o Corinthians que vieram na realidade de suas equipes. P
    arabéns ECP e Timão pela coragem de vir 100% NACIONAL

    Responder
  2. nadador
    nadador says:

    E o Pinheiros acabou vindo 100% nacional!
    Se a brasileira/espanhola tivesse vindo a situação seria diferente.
    Gostaria de assistir uma competição 100% nacional para ver o que daria.

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *