O recorde já era esperado. Não foi surpresa, mas o feito, vale muito mais que um recorde sul-americano. É uma nova fase da natação feminina do Brasil. O novo recorde de 8:03.22 vem depois de 10 anos, sete meses e 24 dias.

Desta vez, todas nadadoras do Pinheiros, mas cada uma vem de um Estado diferente. Uma paulista, uma pernambucana, uma mineira e uma brasiliense.

Joanna, a mais jovem de 2004, agora é a veterana e, como havia feito na abertura do revezamento olímpico em Atenas, nadou ontem para a sua melhor marca pessoal com 2:00.60. Joanna está com 27 anos e completa 28 alguns dias antes do Mundial de Kazan.

A mais jovem do time é a paulista Gabriele Roncatto. Tem 16 anos, completa 17 no dia 19 de julho. Revelada em Santos, está desde a categoria infantili no Pinheiros e entrou para a história como a primeira, e única, nadadora a vencer quatro anos consecutivos a mesma prova no Troféu Chico Piscina. Gabriele fez o seu melhor tempo na final do Maria Lenk com 2:01.68, marca que lhe garantiu como segunda nadadora do Brasil nesta prova no Mundial Júnior de Singapura.

Manuella Lyrio, assim como Joanna, retornou este ano para o Pinheiros. Revelada na natação de Brasília, ela já havia tido uma passagem pelo clube na década passada. Está com 25 anos de idade e era a recordista sul-americana dos 200 livre. Perdeu o recorde na etapa de abertura do Maria Lenk, mas nadou lado a lado da nova recordista Larissa Oliveira, e se tornou na segunda nadadora a quebrar a barreira do 1:59 na América do Sul. Seu melhor é 1:58.74.

Larissa Oliveira é mineira de Juiz de Fora. Revelada no Clube Bom Pastor, já nadou pelo Botafogo, Corinthians e vive a sua melhor fase no Pinheiros. Nadou pela primeira vez abaixo dos dois minutos no Open em dezembro do ano passado e se tornou recordista sul-americana neste Maria Lenk com 1:58.53.

Larissa tem 25 anos, completou no dia 16 de fevereiro e junto com as outras três nadadoras do Pinheiros treina com o mesmo técnico, André Amendoim.

O tempo feito pelas meninas foi fantástico e histórico, mas é só somar os seus melhores e identificar que ainda existe muito espaço para melhora. A soma absoluta das marcas daria 7:59.55 e adicionando ai boas trocas de revezamento poderíamos estar falando algo em torno de 7:57 ou menos. Algo que realmente precisamos para garantir uma vaga no Rio 2016 e aí quem sabe repetir o feito de 2004, chegando a uma final olímpica.

Trofeu Maria Lenk, Natacao

2 respostas
  1. Gustavo
    Gustavo says:

    Belo texto Coach,esse recorde vai ser quebrado tanto no Pan quanto no mundial,isso é um fato. Mas não deixe a Larissa mais velha hehe, ela completou 22

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *