No quarto dia do Campeonato Brasileiro Absoluto – Troféu José Finkel – o destaque ficou novamente com a argentina campeã dos 200m peito Julia Sebastian, que está representando a equipe da Unisanta, vencendo os 100m peito com novo recorde do campeonato (e também argentino) com 1:09.44. Apesar de vencer no Parque Aquático Mário Cardoso Xavier no Corinthians, o tempo de Julia ainda é inferior ao de Beatriz Travalon (Pinheiros), que fez 1:09.32 no Troféu Maria Lenk deste ano mas aqui terminou em 4o. lugar com 1:12.01.

Esta é a 3a. vez que uma argentina vence o Troféu José Finkel nos 100m peito. Em 2012, Julia venceu tanto os 100m quanto os 200m peito. Em 2010 foi Agustina de Giovanni, também representando a Unisanta. Em 2011 e 2009 a vitória foi de Tatiane Sakemi (Pinheiros), que pela primeira vez desde 2007 fica fora do pódio. Em 2008 e 2007 foi a vez de Carolina Mussi (Pinheiros). E em 2006, foi a vez de Juliana Marin (Fiat/Minas), que este ano ficou em 3a. com 1:11.74, atrás de Pamela Souza (Corinthians), com 1:10.90.

Em 2012, no Sul-Americano Absoluto em Belém, Julia foi apenas a 4a. colocada com 1:13.42, atrás de Ana Carla Carvalho, 1:11.12, e de Tatiane Sakemi, 1:13.00. Uma ótima evolução da argentina treinada por Roberto Ortiz do Club Regatas de Santa Fe, que no Mundial de Barcelona quebrou o recorde argentino na sua prova mais fraca, os 50m peito, com 32.28, o único recorde que conseguiu competindo pela primeira vez um Mundial de piscina longa.

Assim como alguns brasileiros em Barcelona, ela foi ao Mundial sem a companhia de seu treinador e sentiu o peso da participação de um grande evento. Preparada para os 200m peito, terminou apenas em 26a. com 2:32.88, numa prova sem representantes brasileiras. Em entrevista pós-prova, na ocasião disse que iria competir o Finkel e “mostrar tudo que treinou e que devia ter feito” em Barcelona.  Aos 18 anos, não foi a Londres em 2012 por 20 centésimos.

Ao contrário da vitória da argentina, as outras 6 provas do dia foram vencidas com gente com experiência olímpica.

Nos 200m borboleta, ambos os campeões não encontraram dificuldade alguma para vencer. Leonardo de Deus (Corinthians) levou o masculino com 1:58.26, quebrando uma sequência de 8 anos consecutivos com o paraibano Kaio Márcio Almeida no topo do pódio. Kaio não está participando desse Finkel por problemas físicos no ombro, mas talvez não seria páreo para Leonardo: ele já o venceu no último Maria Lenk e também no Pan de Guadalajara em 2011, só para citar duas oportunidades. Em segundo lugar, mais um debutante em pódios absolutos: o cearense Luiz Altamir Melo (Flamengo), integrante da seleção brasileira júnior que vai ao Mundial de Dubai, com 2:01.33, sua melhor marca pessoal. Em 3o., dez anos mais velho que Altamir, ficou Leonardo Santos Fim (Fiat/Minas) com 2:01.42, um centésimo abaixo de Arthur Mendes Filho (Corinthians), que no último Mundial Júnior em Lima foi o único medalhista da competição, bronze nos 100m borboleta.

No feminino, Joanna Maranhão voltou a falar de desafios, atitudes positivas e até deu um “esporro” coletivo ao vencer com 2:12.68: disse em entrevista pós-prova que não aguenta mais ouvir as pessoas falarem dos seus problemas, que já sabe de todos e não precisam repetir. Palavras duras de uma das maiores campeãs da história da natação brasileira – ao lado de Fabíola Molina – que não perde esta prova desde 2008. Em 2o. lugar, comemorando muito ficou a paulista Giovanna Diamante (SESI-SP) com 2:17.88, que também coincidentemente acabou superando outra atleta 10 anos mais velha, Larissa Cieslak, 3a. colocada com 2:18.08. Giovanna é também uma dos 32 atletas que integram a seleção brasileira júnior que embarca próxima semana a Dubai e pela 5a. vez no ano abaixou sua melhor marca.

Nos 100m peito, os veteranos não deram brecha para os novatos e ocuparam o pódio com Felipe Lima (Fiat/Minas) em 1o. com 1:01.02, seguido de João Luiz Junior (Pinheiros) com 1:01.54 e de Felipe França (Pinheiros), ainda em recuperação de sua cirurgia de apendicite antes do Troféu Maria Lenk, chegou a passar na frente com 28.55 mas terminou em 3o. com 1:01.75.

Nos 50m costas, a segunda trinca da competição (a primeira foram nos 1500m livre) e, pela tradição, do Pinheiros. Daniel Orzechowski bateu novamente Guilherme Guido com 25.31 contra 25.61 do recém-papai (seu filho, Lorenzo, nasceu dia 1 de junho). Aliás, já é o 11o. ano que Guido, natural de Limeira, defende o Pinheiros. É o quinto ano que a dupla está no topo do pódio: de 2012 a 1007, Guido só não venceu em 2011 – título para Daniel. Em 2012, 2009, 2008 e 2007, Daniel foi vice nesta prova. Completou o pódio Fábio Santi, com 25.74.

No feminino, a geração Dubai novamente marcou presença no pódio encabeçado pela pernambucana Etiene Medeiros (SESI), com 28.25, seguida da goiana Natalia Diniz (Pinheiros) com 28.99 (ela tinha sido bronze por 3 anos consecutivos e aqui consegue sua melhor marca pessoal, aos 27 anos), e de um empate entre duas atletas do Corinthians, Natalia de Luccas (campeã nos 100m costas) e Isabela Silva com 29.35. Interessante notar que esta é a 4a. vez que Natalia compete os 50m costas oficialmente. Este é o 3o. título de Etiene nesta prova na história do campeonato.

A última prova do programa, os 800m livre, venceu mais do que um veterano, praticamente um brasileiro: Juan Pereyra consegue o título pela 2a. vez com 8:07.63, seguido de Lucas Kanieski com 8:08.78 e de Marcos Ferreira com 8:09.45. Mais uma trinca, mas agora pelo Fiat/Minas, que também teve o 4o., 7o. e 9o. lugar da prova, acumulando nada menos que 133 pontos para a equipe com os 6 atletas.

Juan participa de campeonatos brasileiros desde 2001. Em 3 ciclos olímpicos, viu muitos fundistas brasileiros subirem, como Bruno Bonfim e Armando Negreiros, e em 13 anos de competição é o mais longevo fundista da natação brasileira.

Na pontuação, o Minas segue tranquilo liderando com 1599 pontos, confira as 10 equipes com mais pontos até o fim do 4o. dia de competições:

1 FIAT/MINAS – 1.599,00
2 CORINTHIANS/ABDEM – 1.277,50
3 PINHEIROS – 901,50
4 SESI-SP – 527,00
5 UNISANTA – 471,00
6 GNU – 412,00
7 FLUMINENSE – 143,50
8 PRAIA CLUBE – 135,00
9 NN SESI CPR – 86,00
10 CURITIBANO – 76,00

Por 1 ponto, graças a um item no regulamento que dá ao atleta primeiro colocado nas eliminatórias com 1 ponto, a argentina Julia Sebastian passa Poliana Okimoto como maior pontuadora da competição, com 106 pontos contra 105 de Poliana. No masculino lidera Lucas Kanieski com 79 pontos, seguido de Juan Pereyra com 77 e de Leonardo de Deus com suas duas vitórias somando 70 pontos. No índice técnico, Felipe Lima agora tem a melhor pontuação graças ao resultado nos 100m peito, enquanto que no feminino Etiene Medeiros passa Poliana Okimoto, um tanto injusto se considerar o feito, não o tempo comparado com o recorde mundial da prova.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *