FABIOLA MOLINA

Todos os anos, desde 2010, o Troféu Best Swimming tem um prêmio especial, diferenciado. Este, não passa pelo Painel de Especialistas, é uma indicação da editoria que identifica dentro da comunidade aquática pessoas de relevância e que merecem ser mencionadas, reonhecidas, homenageadas.

Este 2017 foi marcado por duas aposentadorias. Todo ano, nadadores deixam de nadar, mas não na dimensão destes dois. Thiago Pereira nas piscinas e Poliana Okimoto representam muito mais do que medalhas, recordes, vitórias, conquistas. São nomes de referência, são figuras que serão marcadas para sempre pelas suas passagens no esporte, pelo brilhantismo de suas carreiras e pelo legado deixado para os mais jovens.


POLIANA OKIMOTO

Poliana Okimoto. Desafio Rei e Rainha do Mar. 10 de Dezembro de 2017, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Foto: Satiro Sodré/SSPress/Effect Sport

Poliana Okimoto e Ricardo Cintra me chamaram para tomar um café na sede do Clube Esperia, em São Paulo. Assim como na história que contei com Thiago Pereira foi um dos primeiros a ser comunicado da aposentadoria de Poliana. Isso era outubro, dois meses antes da oficialização a imprensa.

Assim como a notícia de Thiago, era o “furo que não poderia dar”. Pelo menos tive uma idéia, nada de terminar a carreira no Open ou em alguma competição qualquer. O Rei e Rainha do Mar seria o fechamento sublime, ao vivo para todo Brasil pela TV Globo para reconhecer e reverenciar a carreira e o pioneirismo de Poliana.

Poliana topou, o marido/treinador Ricardo Cintra determinou, “tem de treinar”, falou ele exigente. Tem sido assim esta relação, de amor, de conquistas, mas de dedicação. Poliana encerra uma carreira e deixa um lastro de amor ao esporte e principalmente de uma legião de fãs e admiradores. Por todos os clubes que passou é amada, admirada. Nas provas que participa distribui abraços, sorrisos, selfies, e simpatia, muita.

A proposta foi logo aceita pela TV Globo que organizou o melhor Rei e Rainha do Mar já produzido. Por sinal, o de maior audiência, de maior duração, com maior número de atletas participantes e o mais especial de todos.

A praia de Copacabana e o Brasil reverenciou Poliana Okimoto na sua última prova fechando uma carreira de glórias e feitos. No mesmo local, na mesma praia onde alcançou a sua medalha olímpica, a primeira e única do esporte aquático feminino do Brasil em Jogos Olímpicos.

A pioneira. Sempre fazendo as coisas pela primeira vez. A primeira medalha de Mundial, a primeira vitória em Copa do Mundo, o primeiro título de Rainha da Copa do Mundo, a primeira medalha olímpica.

Poliana deixa o esporte sendo a primeira a ser reverenciada ao transmissão ao vivo pela TV aberta para todo país. Sai de cena a Poliana atleta para agora fazer diferença na sua nova carreira. Novos desafios, novos horizontes.

Junto com seu companheiro de vida, irão investir em difundir as águas abertas pelo país. Vão fazer cursos, clínicas, vem aí o primeiro Poliana Okimoto Open Water Camp e a primeira Travessia Poliana Okimoto. Ricardo Cintra vai desenvolver a metodologia Poliana Okimoto e repassar o trabalho de fazer novos atletas das maratonas aquáticas de forma remota em planilhas online.

A pioneira continua saindo na frente. Que carreira! Troféu Best Swimming 2017 reverencia Poliana Okimoto que junto de Thiago Pereira é homenageada no Prêmio Reconhecimento do Ano desta temporada.


THIAGO PEREIRA

Toronto – Canada – 09/07/2015 Jogos Panamericanos 2015. Fotos do atleta Thiago Pereira, na Vila panamericana durante apresentacao do atleta como porta-bandeira da delegacao brasileira nos jogos Pan Americanos de Toronto. Foto: Jonne Roriz/Exemplus/COB

Fevereiro de 2017, recebo uma ligação de Thiago Pereira. Após o cumprimento inicial, ele me conta a novidade. “Coach acertei com o COB e vou anunciar minha aposentadoria no Prêmio Brasil Olímpico em março”. Sem jeito, e sem saber como reagir, só pude dizer, “parabéns”. O sentimento era o pior possível. Eu, como tantos outros, curti assistir Thiago Pereira. Posso até dizer que sou afortunado por ter tido a oportunidade de treiná-lo por um pequeno período em 2006, mas naquele momento o sentimento não era o do Coach, ou do jornalista, era do fã.

Thiago Pereira vai deixar saudades. Sua versatilidade, sua capacidade de superar desafios e dificuldades. Sua determinação em busca da tão sonhada e difíl medalha olímpica.

Thiago deixa a natação com uma lista de conquistas muito difíceis de serem superadas. É o maior medalhista brasileiro em campeonatos nacionais absolutos, o maior medalhista entre todos os esportes em Jogos Pan Americanos, o maior medalhista da natação brasileira em campeonatos internacionais.

É o único que se sagrou Rei da Copa do Mundo onde também é o brasileiro com maior número de vitórias. É o maior vencedor de medalhas nos Grand Prix Americanos.

A versatilidade de Thiago lhe transformou no único nadador da história da natação masculina a vencer o campeonato nacional absoluto em prova nos quatro estilos e no medley. Sua regularidade lhe deu a maior sequência de vitórias no Troféu Maria Lenk, foram 13 anos consecutivos vencendo os 400 metros medley.

Thiago brilhou por onde passou. Deixou uma legião de fãs, em Volta Redonda, no Minas, no SESI, no Corinthians, nos Estados Unidos. Deixa o esporte, mas não se afasta dele. Vai seguir seu projeto de clínicas pelo país. A intenção é ampliar ainda mais o programa. O troféu que leva o seu nome vai passar a ser um Circuito primeiro dentro da Federação Aquática Paulista e depois se espalhar por todo país.

Segue como integrante das comissões de atletas do COB, da FINA e em outubro vai estar nos Jogos Olímpicos da Juventude como Embaixador da competição.

Thiago não vai mais representar o Brasil na piscina. Nem em Olimpíadas, nem Mundiais, mas quer seguir ajudando o nosso esporte. Seu sonho ainda é um projeto para levar mais crianças para a piscina, trabalhar contra os problemas de afogamentos, ajudar a popularizar o esporte.

Neste Troféu Best Swimming 2017 não poderíamos deixar de dar a Thiago Pereira o Prêmio Reconhecimento do Ano, e mais glorioso ainda poder dividi-lo com Poliana Okimoto.


Os vencedores do Prêmio Reconhecimento do Ano

2010 – Satiro Sodré
2011 – Mário Cardoso Xavier, in memoriam
2012 – Domingos Ferreira
2013 – Rubem Márcio Dinnard de Araújo
2014 – Pedro Monteiro, da Effect Sport
2015 – Ricardo Prado, medalhista olímpico
2016 – Patrick Winkler, da revista Swim Channel
2017 – Thiago Pereira e Poliana Okimoto

COMPARTILHAR
Artigo anteriorCinco Promessas – De Onde Eles Vem?
Próximo artigoRetrospectiva 2017
Alex Pussieldi
Alexandre Pussieldi é o fundador e editor-chefe da Best Swimming, jornalista formado em Porto Alegre, viveu 16 anos nos Estados Unidos como técnico de natação, dono de clube e empresário. Altamente especializado em natação, também trabalha como comentarista no canal SporTV. Site profissional coachalex.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here